Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".

Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Iorque, não foi avisado que se tratava de um documentário fake, ocasionando um extremo desconforto na plateia, onde alguns espectadores passaram mal durante a exibição.




A "trama", por assim dizer, fala sobre uma série de assassinatos ocorridos na pequena cidade novaiorquina de Poughkeepsie, e suas repercussões entre os moradores e as autoridades locais. O filme narra basicamente como a polícia encontrou a casa do serial killer contendo dezenas de fitas VHS com gravações que iam da abordagem de suas vítimas até as mais terríveis torturas em seu porão. Tais fitas são analisadas por especialistas forenses, ao mesmo tempo que vemos depoimentos de parentes e amigos das vítimas do "carniceiro do rio" (apelido dado ao assassino em questão).

O tom documental da película é muito bem utilizado, fazendo parecer que estamos assistindo a alguma reportagem especial desses canais de notícias. Além disso, as (propositalmente) cenas ambientadas no porão do serial killer são bastante incômodas e realísticas, mas, incrivelmente, nunca apelativas. O horror das situações, muitas vezes, é mais sugerido do que mostrado, e (coisa rara nesse tipo de produção) as vítimas são humanizadas, fazendo com que tenhamos pena e aflição pelo sofrimento delas. Um detalhe, portanto, que faz toda a diferença, evitando que sejamos meros espectadores sádicos do sofrimento alheio.




Dessas vítimas, a que mais se "destaca" no decorrer da produção é Cheryl Dempsey, que parece ter uma atenção "especial" do serial killer, que cria enormes dificuldades às autoridades devido ao seu modus operanti de agir. Até perto do final, não temos a menor ideia de que seja o assassino, o que é ainda mais assustador, pois, mostra que esse tipo de mente doentia pode se esconder em qualquer pessoa, até naquelas que sejam pouco suspeitas. As análises dos especialistas sobre a psiquê do "carniceiro do rio" convencem, e ao mesmo tempo perturbam, por indicarem que a monstruosidade do homem pode estar mais perto do que se imagina.

O filme, é verdade, tem lá os seus defeitos. Em alguns momentos, o nível das "atuações" não convence, e chega a ser estranho também a inserção de trechos musicais nas sequências mais tensas. Afinal, se o tom é documental, esses trechos acabam passando uma certa inverossimilhança em relação ao enredo, como se estivéssemos assistindo a uma produção de horror "convencional". Ao seu favor, está a construção coesa da narrativa, com um estudo pertinente a respeito da personalidade do assassino, e as cenas no porão de seu residência, realmente, assombrosas, mas, não gratuitas.




E, já que a estrutura do filme lembra bastante os documentários, muitos se perguntaram se ele seria baseado numa história real. Na verdade, é muito provável que, para compor o roteiro, o diretor Jonh Erick Dowdle se inspirou num caso verídico, ocorrido nos anos 90, na mesma cidade de Poughkeepsie, quando Kendall François cometeu 8 assassinatos, e foi condenado à prisão perpétua. Lembrando que a produção causou tanto desconforto que nenhuma distribuidora quis divulgá-lo, o que, a bem da verdade, é uma grande hipocrisia, pois, filmes muito mais doentios são colocados nos cinemas a torto e a direito. 

"As Fitas de Poughkeepsie" cumpre bem o seu papel de instigar o espectador a ir fundo no que o ser humano, em seu estado mais obscuro, é capaz de fazer, e como o sensacionalismo de casos brutais transforma a vida das pessoas em mera audiência para os telejornais. Uma pena que, após essa película, o cineasta tenha realizado filmes particularmente ruins, como "Quarentena" e "Demônio". Quem sabe uma volta às origens, com o estilo found-footage, fizesse bem a ele.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…