Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".

Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Iorque, não foi avisado que se tratava de um documentário fake, ocasionando um extremo desconforto na plateia, onde alguns espectadores passaram mal durante a exibição.




A "trama", por assim dizer, fala sobre uma série de assassinatos ocorridos na pequena cidade novaiorquina de Poughkeepsie, e suas repercussões entre os moradores e as autoridades locais. O filme narra basicamente como a polícia encontrou a casa do serial killer contendo dezenas de fitas VHS com gravações que iam da abordagem de suas vítimas até as mais terríveis torturas em seu porão. Tais fitas são analisadas por especialistas forenses, ao mesmo tempo que vemos depoimentos de parentes e amigos das vítimas do "carniceiro do rio" (apelido dado ao assassino em questão).

O tom documental da película é muito bem utilizado, fazendo parecer que estamos assistindo a alguma reportagem especial desses canais de notícias. Além disso, as (propositalmente) cenas ambientadas no porão do serial killer são bastante incômodas e realísticas, mas, incrivelmente, nunca apelativas. O horror das situações, muitas vezes, é mais sugerido do que mostrado, e (coisa rara nesse tipo de produção) as vítimas são humanizadas, fazendo com que tenhamos pena e aflição pelo sofrimento delas. Um detalhe, portanto, que faz toda a diferença, evitando que sejamos meros espectadores sádicos do sofrimento alheio.




Dessas vítimas, a que mais se "destaca" no decorrer da produção é Cheryl Dempsey, que parece ter uma atenção "especial" do serial killer, que cria enormes dificuldades às autoridades devido ao seu modus operanti de agir. Até perto do final, não temos a menor ideia de que seja o assassino, o que é ainda mais assustador, pois, mostra que esse tipo de mente doentia pode se esconder em qualquer pessoa, até naquelas que sejam pouco suspeitas. As análises dos especialistas sobre a psiquê do "carniceiro do rio" convencem, e ao mesmo tempo perturbam, por indicarem que a monstruosidade do homem pode estar mais perto do que se imagina.

O filme, é verdade, tem lá os seus defeitos. Em alguns momentos, o nível das "atuações" não convence, e chega a ser estranho também a inserção de trechos musicais nas sequências mais tensas. Afinal, se o tom é documental, esses trechos acabam passando uma certa inverossimilhança em relação ao enredo, como se estivéssemos assistindo a uma produção de horror "convencional". Ao seu favor, está a construção coesa da narrativa, com um estudo pertinente a respeito da personalidade do assassino, e as cenas no porão de seu residência, realmente, assombrosas, mas, não gratuitas.




E, já que a estrutura do filme lembra bastante os documentários, muitos se perguntaram se ele seria baseado numa história real. Na verdade, é muito provável que, para compor o roteiro, o diretor Jonh Erick Dowdle se inspirou num caso verídico, ocorrido nos anos 90, na mesma cidade de Poughkeepsie, quando Kendall François cometeu 8 assassinatos, e foi condenado à prisão perpétua. Lembrando que a produção causou tanto desconforto que nenhuma distribuidora quis divulgá-lo, o que, a bem da verdade, é uma grande hipocrisia, pois, filmes muito mais doentios são colocados nos cinemas a torto e a direito. 

"As Fitas de Poughkeepsie" cumpre bem o seu papel de instigar o espectador a ir fundo no que o ser humano, em seu estado mais obscuro, é capaz de fazer, e como o sensacionalismo de casos brutais transforma a vida das pessoas em mera audiência para os telejornais. Uma pena que, após essa película, o cineasta tenha realizado filmes particularmente ruins, como "Quarentena" e "Demônio". Quem sabe uma volta às origens, com o estilo found-footage, fizesse bem a ele.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…