Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Zootopia" (2016)
Direção: Byron Howard, Rich Moore e Jared Bush.


Há alguns anos, duas animações surpreenderam por seu tom adulto, sombrio e até subversivo: "Wall-e" e "Up - Altas Aventuras". O choque, diga-se, vinha do fato de ambos os desenhos virem de um estúdio tradicionalista como a Disney, mesmo que a grande responsável por eles seja mesmo a Pixar. Porém, tanto um como o outro provaram que as animações poderiam ir bem além dos lugares comuns e dos clichês que permeiam o gênero. De lá pra cá, porém, a Disney lançou algumas continuações caça-níqueis e outros desenhos mais burocráticos, incluindo o tão bem-falado (mas, nada extraordinário) "Divertidamente", do ano passado. Com isso, chegamos a este "Zootopia".

Mais uma vez, é triste dizer, mas, o resultado está aquém do esperado, anos-luz de "Wall-e" e "Up". E, o grande problema aqui parece ser a covardia de seus realizadores. Sim, pois, a premissa da história é excelente: uma cidade que, em tese, lida bem com os seus preconceitos e com as diferenças dos seus cidadãos, mas, que, nos momentos difíceis, todos mostram certo grau de intolerância. Só que essa premissa altamente promissora foi desenvolvida num roteiro com muitas obviedades e pouca ousadia. O que é uma pena.




Esses problemas logo são mostrados nos primeiros minutos, numa representação (excessivamente) lúdica de um teatrinho para crianças sobre a história dos predadores e das presas. É quando somos apresentados à personagem principal da história, a simpática coelha Judy Hopps, que sonha em ser policial, mesmo a contragosto dos pais, pois, segundo eles, "nenhum coelho pode ser policial". Depois, com ela já crescida, temos ela em intenso treinamento. Num roteiro mais inspirado, a coisa poderia ser mostrada de forma mais sutil, mas, o que temos aqui é o velho jargão da superação, e após alguns reveses, Judy supera os outros e a si mesma. Fica até difícil se identificar com a protagonista assim.

Depois de um começo realmente fraco, é bom dizer que o filme melhora bastante, principalmente, com a inclusão de Nick Wilde, uma raposa malandra, mas, que assim como Judy, sofre preconceito só pelo fato de ser uma raposa, ou seja, um animal pouco ou nada confiável. É seu jeitão mais despojado e um tanto depressivo que coloca um pouco de interesse na história, já que Judy passa a enxergar as coisas de maneira mais realista após conhecê-lo. O problema, e mais uma vez, é a obviedade do roteiro, pois, fica evidente, a cada instante, que Nick irá se redimir de seus delitos e formará dupla com a coelha policial.




No meio dessas desventuras (que já sabemos como vão se desenrolar e qual o seu desfecho), o que sobra são alguns personagens realmente inusitados, que dão certo frescor à história, como os bichos-preguiça que trabalham numa repartição pública, gerando, claro, piadas hilárias sobre isso. Isso sem contar uma impagável referência ao "Poderoso Chefão", que também gera ótimos momentos. Em relação à parte técnica, tudo é um primor. E, tem que ser mesmo, já que não se espera nada mal-feito, nesse sentido, vindo dos estúdios Disney. Até a dublagem original é muito bem executada, com nomes como Idris Elba e Shakira dando vida a personagens muito bons.

Mas, a grande falha da produção, o roteiro, estrega tudo isso, pois, se você tem em mãos um material em que se pode flertar sobre temas espinhosos como o preconceito, seria lógico que a história tivesse mais sutilezas e algumas críticas um pouco mais incisivas. Ao contrário, o que temos é uma animação padrão, cheia de ação e aventura, em que a questão da intolerância é sempre pincelada, mas, nunca aprofundada. E, isso, por si, já é um tremendo desperdício de premissa. Até fica a mensagem principal, de que você precisa ir em busca de seus sonhos, não permitindo que os outros imponham quem você deva ser. No entanto, após tantos desenhos com uma história bem mais elaborada do que essa, "Zootopia" fica facilmente um pouco abaixo da média.




Verdade seja dita: apesar dos pesares, este é um desenho prazeroso de se assistir. Passa rápido, tem ritmo, e mesmo não trabalhando melhor os temas a que se propôs, o roteiro é enxuto e bem amarrado. Em suma: dá uma ótima sessão da tarde. O problema é que a premissa tinha inúmeras possibilidades, e que quase todas foram jogadas fora em nome de um produto mais pasteurizado, e repleto de clichês. É bonitinho e tem umas mensagens legais. Porém, pra hoje em dia, é pouco; muito pouco.


Nota: 6/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…