Pular para o conteúdo principal
Dica de Documentário

"A Filha da Índia" (2014)
Direção: Leslee Udwin.


Há algum tempo, um escabroso caso de estupro coletivo tomou conta do inconsciente coletivo brasileiro. Como se não bastasse o ato em si ser grotesco, que evidencia a mais alta podridão humana, uma das coisas que chamou a atenção para o caso foi o fato da vítima ter sofrido ataques e agressões (principalmente, nas redes sociais). Frases feitas como "Foi estuprada porque mereceu" ou "Se estivesse na Igreja, não teria acontecido" se tornaram comuns. Tanto homens quanto (inacreditavelmente) mulheres culparam a menina pelo ocorrido. E, eis que, com isso, chegamos ao ótimo documentário "A Filha da Índia".

A produção, feita pela BBC, trata, especificamente, a respeito do horrendo estupro coletivo ocorrido em Nova Delhi, na Índia, em 2012, aonde, após ter sofrido toda a sorte de abusos, uma mulher é abandona em via pública, e morre dias depois no hospital. O documentário é bem fiel ao fazer a reconstituição do crime, além de mostrar as consequências disso, já que, depois dessa barbaridade, a população civil (em especial, as mulheres) passaram a protestar fortemente pelos direitos delas, ainda vista como inferiores pela cultura local.




O material mescla bem todos os depoimentos, inclusive, de um dos estupradores, que choca ao, naturalmente, dizer que a mulher tem tanta culpa no estupro quanto o homem, e que uma mulher decente não sai de casa sozinha e à noite. Notem, pois, que é um absurdo alguém ter esse tipo de pensamento, mas, é justamente o que se ouviu no caso da menina no Rio de Janeiro há alguns meses. As mesmas justificativas que "ocasionam" um abuso sendo ditas tanto por gente dita "de bem", quanto por um homem que participou do abuso, espancamento e destruição (literal) do corpo de uma mulher. Quando se percebe isso, dificilmente, nega-se que haja uma "cultura do estupro" no mundo.

O Documentário também é positivo por não dar respostas fáceis a assuntos complexos, nem se deixar levar pelo sentimentalismo, apesar do tema ser, de fato, chocante e incômodo. Mesmo não tentando "justificar" um ato de tamanha violência, a diretora Leslee Udwin é muito feliz ao expôr as condições miseráveis e sub-humanas de onde os estupradores vieram, e de como a cultura de inferiorização da mulher também contribui para que tais crimes sejam feitos. É desesperador ver a esposa de um dos estupradores quase em pratos pela possibilidade do marido ser condenado à pena de morte, e corroborando com essa cultura de submissão da figura feminina.




Depoimentos de diversos especialistas sobre o tema dão alguma luz pra tentarmos entender a questão, ao invés de apenas chamarmos esses estupradores de "monstros" e pedirmos a morte deles. E, é justamente isso o que falta em debates sobre temas pesados e intensos de paixões: reflexão generalizada para entendermos pequenos detalhes, evitando que caiamos na armadilha dos jargões e das frases de efeito, tão típicas dos moralistas de plantão. Completa a estrutura da produção a participação inflamada da população civil, cansada de uma sociedade que deixa, impunemente, que casos bárbaros como esse ocorram.

Mas, verdadeiramente, o impacto maior de "A Filha da Índia" é acompanhar as falas dos estupradores, e de tantos outros ao redor deles, tentando, de alguma maneira, "justificar" o ocorrido. Dá a entender que não é só machismo, puro e simples. É algo mais profundo, cujo cerne está em diversos fatores, como o ódio à mulher devido à sua crescente emancipação (a garota estuprada coletivamente trabalhava fora e estudava pra ser médica), entre outras questões. Não esperem, portanto, um linchamento moral dos acusados, e sim, um convite ao debate a respeito de direitos igualitários, tolerância, etc.




É bom que se diga que o documentário foi proibido de ser exibido na Índia, pois, de acordo com o tribunal do país, ele tem trechos que "aparecem para incentivar e incitar a violência contra as mulheres", devido a um dos estupradores entrevistado culpar a vítima pelo estupro e ter feito outros comentários controversos. Em suma: mesmo depois de um acontecimento tão brutal, que evidenciou de forma tão clara que o problema está na sociedade e na cultura que ela propaga, as autoridades indianas parecem não ter aprendido a lição. E, pelo visto, nem nós, do lado de cá do Ocidente, aonde insistimos em culpabilizar a vítima de estupro. Todos, enfim, estão surdos.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…