Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Gravidade" (2013)
Direção: Alfonso Cuarón.


Em tese, todas as histórias de sobrevivência são fascinantes. No entanto, é preciso que quem conte tais histórias tenham em mente que se tratam, única e exclusivamente, de narrativas de sobrevivência. Só. Ir além disso, é correr um risco grande, pois, introduzir, nesse tipo de enredo, metáforas, histórias paralelas que tenham alguma moral, ou apenas expor uma ideia a mais do roteiro, pode deixar o resultado final pedante, sacal. Recentemente, o roteiro de "O Regresso" quase colocou o filme a perder devido a isso. E, alguns anos antes, o filme "Gravidade" padeceu do mesmo mal.

Se não, vejamos o enredo: Matt Kowalski (interpretado com carisma por George Clooney) é um astronauta experiente que está em missão para o conserto do telescópio Hubble juntamente com a (não tão experiente assim) doutora Ryan Stone (feita por uma Sandra Bullock com categoria). Ambos, porém, são surpreendidos por uma chuva de destroços decorrente da destruição de um satélite por um míssil russo, que faz com que sejam jogados no espaço sideral. A partir dá, os dois terão que passar por diversos momentos tensos até acharem algum outro satélite do qual possam voltar à Terra.




De cara, percebe-se um irritante cunho político na história, já que Matt e Ryan entram em perigo devido a uma peripécia dos (sempre eles) russos. Mas, a grande vergonha alheia vem na parte final, quando a salvação pode vim de um satélite chinês (ou seja: ser comunista pode, contanto, que forneça o nosso Nike...). Vejam bem: se essas nacionalidades, da forma como é construído o roteiro, não fossem mencionadas, o filme ganharia muito. Afinal, são duas pessoas que apenas estão tentando sobreviver no espaço. Ponto. Colocar esse pseudo-cunho político foi, deveras, forçar a amizade.

Outra ponto desfavorável da produção é, mais uma vez, um ponto de seu roteiro, quando a história apela para sentimentalismos, apenas para dar uma carga emocional maior na trama, e fazer o espectador ter mais empatia com os personagens (em especial, Sandra Bullock). São pontos, novamente, desnecessários. Você pode não saber nada da vida particular da pessoa para sentir alguma forma de piedade pelo sofrimento dela. E, pode muito bem entender que ela esteja se esforçando pra viver, apesar dos problemas que ela tenha. Pelo menos, alguns desses pontos são bem colocados, levando a alguma reflexão ("você tem alguém na Terra que olha pro Céu, e espera por você?"; "vale a pena voltar, e continuar a vida que tem?").




Por incrível que pareça, mesmo com tantos problemas em seu roteiro, "Gravidade" consegue ser (muito) bom. Primeiro, mérito do diretor Cuarón, que consegue manter a tensão nas cenas, e construir planos-sequência formidáveis, fazendo o espectador (literalmente) emergir nas estupendas imagens. Nisso, o cineasta, assim como em seu melhor filme ("Filhos da Esperança") consegue desenvolver uma narrativa que envolve quem assiste, mostrando pra muito diretor metido a cult que uma das essências da cinema é justamente o envolvimento sensorial.

As atuações também são dignas de nota, com destaque para Bullock, que consegue passar toda a angústia e sofrimento de sua personagem ante uma morte evidente. Os efeitos visuais são deslumbrantes e aterradores na medida certa. Sentimos nosso corpo flutuar a cada segundo do filme, e, nas partes de ação, ficamos apavorados. Um deslumbre de imagens econômico, é verdade (em comparação a outros blockbusters), mas, muitíssimo eficiente. E, claro, o (não) uso do som dá um toque extra à história, passando toda a sensação de desolamento no espeço, fazendo de nós não meros espectadores, mas, personagens também.




Voltando a "O Regresso", é interessante notar como ambos tem exatamente as mesmas qualidades (direção e efeitos especiais estupendos, atuações excelentes e uma premissa boa da história) e o mesmo defeito (um roteiro nada humilde que não assume ser uma simples história de sobrevivência, e quer ser mais do que, de fato, é). É isso, e apenas isso, que impede "Gravidade" de ser um filmão, mesmo estando bem acima da média das atuais superproduções hollywoodianas. Mesmo assim, é um interessante exercício de cinema, que demonstra, com maestria, a inventividade de seu realizador, Alfonso Cuarón. Torcer, apenas, pra que ele não fique tão megalomaníaco quanto Iñarritu.


Nota: 8/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…