Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Sorceress" (2016)
Artista: Opeth

Impressionante. Aqui, nós temos uma banda que começou lá no longínquo ano de 1990, com um som que remetia ao mais puro death metal. Só que o tempo foi passando, o grupo foi incorporando um folk aqui, um jazz ali, um blues acolá, até que, nos últimos lançamentos, eles abraçaram, de vez, o metal progressivo, e como um Rush moderno, vem fazendo discos verdadeiramente interessantes, e que fogem da monocromia em que o metal, geralmente, está inserido. Diversificado até o osso, o som atual do Opeth é como voltar à década de 70, mas, sem soar datado.

A bela instrumental "Persephone", que abre este disco, não dá pistas do que vamos encontrar pela frente. Ainda bem, pois, logo somos surpreendidos com um baita blues rock pra levar os mais velhos às lágrimas. Trata-se da poderosa "Sorceress", que possui uma variação incrível no decorrer de sua duração, mostrando que esse tipo de diversidade só vez bem ao Opeth, e proporcionou possibilidades interessantíssimas dentro de uma carreira já muito bem estruturada. Mudar faz parte, e quando é pra melhor, fica mais satisfatório ainda.
Falar das outras 9 músicas que compõem "Sorceress" é meio complicado, pois, todas são riquíssimas em detalhes, e denotam um bom gosto absurdo de todos os integrantes. Mas, vamos tentar. Depois da canção que dá título ao álbum, temos "The Wilde Flowers", que segue, basicamente, os (ótimos) passos da antecessora, com um blues rock bastante calcado no Free. Entre momentos calmos e energéticos, cada segundo da música se destaca. Sem falhas, sem excesso de firulas; na medida. "Will O The Wisp" é uma bonita balada pueril. Não é, necessariamente, uma grande canção, mas, é bem construída e não faz feio.

A pesada e psicodélica "Chrysalis" incorpora a lama setentista de maneira fantástica, oscilando, na nossa lembrança, entre o Uriah Heep (pelas linhas melódicas do vocalista Mikael Åkerfeldt) e o Rush em suas músicas mais diretas e certeiras. Não tem como negar: um sonzaço! O disco segue com "Sorceress 2", que mesmo boa, não chega aos pés da sua primeira parte, servindo como uma espécie de "interlúdio" para que o álbum avance até a climática "The Seventh Sojourn", que se trata, nem mais, nem menos, de que uma "Kashimir dos tempos modernos". Não é cópia; longe disso. Mas, a estrutura é quase a mesma, e o que diferencia a canção do Opeth é por ela ser praticamente toda instrumental. Mesmo com a descarada referência, não deixa de ser um bom deleite para os ouvidos.



Eis que, a essa altura dos disco, o Opeth consegue nos presentear com a melhor composição deste trabalho ("Strange Brew"), não por acaso, a mais longa do álbum, com quase 9 minutos de duração, com muita psicodelia, prog, entre outras viagens sonoras, que só quem conhece a fase de ouro do rock (anos 60 e 70) vai entender. A canção passa por vários estilos, sem nunca perder a mão, e como toda música desse porte, demonstra toda a técnica dos integrantes da banda; coesos, firmes, harmônicos. Depois de tanta emoção em formato musical, temos uma calmaria, a tranquila "A Fleeting Glance", que ainda consegue instigar o ouvinte, mesmo estando já quase no final do disco. Por sinal, as duas últimas composições ("Era" e a rapidíssima "Persephone (Slight Return)") encerram bem o trabalho, uma de forma pesada, e outra um pouco mais calma, quase imperceptível, mas, sem muito destaque.


Mesmo com algumas (poucas) músicas fracas, "Sorceress" é um ótimo disco do Opeth, e a prova de que a banda está num rumo muito coerente com a sua proposta atual. Pode não agradar aos fãs mais puristas do metal, principalmente, aqueles que conhecem o grupo das antigas, mas, não há como negar que o Opeth é competente no que faz, e, vez ou outra, surpreende. "Sorceress" não é o melhor disco de sua carreira, mas, sem dúvida, está entre os mais cativantes.


Download do disco:


Nota: 8/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…