Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Sorceress" (2016)
Artista: Opeth

Impressionante. Aqui, nós temos uma banda que começou lá no longínquo ano de 1990, com um som que remetia ao mais puro death metal. Só que o tempo foi passando, o grupo foi incorporando um folk aqui, um jazz ali, um blues acolá, até que, nos últimos lançamentos, eles abraçaram, de vez, o metal progressivo, e como um Rush moderno, vem fazendo discos verdadeiramente interessantes, e que fogem da monocromia em que o metal, geralmente, está inserido. Diversificado até o osso, o som atual do Opeth é como voltar à década de 70, mas, sem soar datado.

A bela instrumental "Persephone", que abre este disco, não dá pistas do que vamos encontrar pela frente. Ainda bem, pois, logo somos surpreendidos com um baita blues rock pra levar os mais velhos às lágrimas. Trata-se da poderosa "Sorceress", que possui uma variação incrível no decorrer de sua duração, mostrando que esse tipo de diversidade só vez bem ao Opeth, e proporcionou possibilidades interessantíssimas dentro de uma carreira já muito bem estruturada. Mudar faz parte, e quando é pra melhor, fica mais satisfatório ainda.
Falar das outras 9 músicas que compõem "Sorceress" é meio complicado, pois, todas são riquíssimas em detalhes, e denotam um bom gosto absurdo de todos os integrantes. Mas, vamos tentar. Depois da canção que dá título ao álbum, temos "The Wilde Flowers", que segue, basicamente, os (ótimos) passos da antecessora, com um blues rock bastante calcado no Free. Entre momentos calmos e energéticos, cada segundo da música se destaca. Sem falhas, sem excesso de firulas; na medida. "Will O The Wisp" é uma bonita balada pueril. Não é, necessariamente, uma grande canção, mas, é bem construída e não faz feio.

A pesada e psicodélica "Chrysalis" incorpora a lama setentista de maneira fantástica, oscilando, na nossa lembrança, entre o Uriah Heep (pelas linhas melódicas do vocalista Mikael Åkerfeldt) e o Rush em suas músicas mais diretas e certeiras. Não tem como negar: um sonzaço! O disco segue com "Sorceress 2", que mesmo boa, não chega aos pés da sua primeira parte, servindo como uma espécie de "interlúdio" para que o álbum avance até a climática "The Seventh Sojourn", que se trata, nem mais, nem menos, de que uma "Kashimir dos tempos modernos". Não é cópia; longe disso. Mas, a estrutura é quase a mesma, e o que diferencia a canção do Opeth é por ela ser praticamente toda instrumental. Mesmo com a descarada referência, não deixa de ser um bom deleite para os ouvidos.



Eis que, a essa altura dos disco, o Opeth consegue nos presentear com a melhor composição deste trabalho ("Strange Brew"), não por acaso, a mais longa do álbum, com quase 9 minutos de duração, com muita psicodelia, prog, entre outras viagens sonoras, que só quem conhece a fase de ouro do rock (anos 60 e 70) vai entender. A canção passa por vários estilos, sem nunca perder a mão, e como toda música desse porte, demonstra toda a técnica dos integrantes da banda; coesos, firmes, harmônicos. Depois de tanta emoção em formato musical, temos uma calmaria, a tranquila "A Fleeting Glance", que ainda consegue instigar o ouvinte, mesmo estando já quase no final do disco. Por sinal, as duas últimas composições ("Era" e a rapidíssima "Persephone (Slight Return)") encerram bem o trabalho, uma de forma pesada, e outra um pouco mais calma, quase imperceptível, mas, sem muito destaque.


Mesmo com algumas (poucas) músicas fracas, "Sorceress" é um ótimo disco do Opeth, e a prova de que a banda está num rumo muito coerente com a sua proposta atual. Pode não agradar aos fãs mais puristas do metal, principalmente, aqueles que conhecem o grupo das antigas, mas, não há como negar que o Opeth é competente no que faz, e, vez ou outra, surpreende. "Sorceress" não é o melhor disco de sua carreira, mas, sem dúvida, está entre os mais cativantes.


Download do disco:


Nota: 8/10

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…