Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Jogo das Decapitações" (2013)
Direção: Sérgio Bianchi


Raiva, muita raiva. É assim que o cineasta Sérgio Bianchi pode ser traduzido em praticamente todos os seus trabalhos. E, aqui, não poderia ser diferente, com um diferencial importante: a metralhadora de críticas do diretor aponta para todos os lados, claramente, dando um verdadeiro tapa na cara tanto na Direita, quanto na Esquerda. Por causa disso, fica até difícil indicar "O Jogo das Decapitações", pois, como ele propõe um debate além das obviedades, sem o minimalismo de apontar somente um partido ou ideologia como certo ou errado, ele desagrada a uma extensa maioria que polarizou o debate de ideias nos últimos anos. E, isso é ótimo, principalmente, se pensarmos em filmes brasileiros que limitaram (e, muito) o debate de ideias (caso de "Tropa de Elite" e, mais recentemente, "Aquarius").

Em "O Jogo das Decapitações", de início, vemos uma cena que parece tirada de uma peça antiga de teatro ou de um cinema mais "underground" de anos atrás. Isso, para depois, passarmos a conhecer o protagonista do filme, o inquieto e introspectivo Leandro, um típico rapaz de classe média, que, sem trabalho e sustentado pela mãe, dedica-se a uma tese de mestrado, cujo tema é o período da Ditadura Militar. Em meio às pesquisas, ele conhece o trabalho do cineasta maldito Jairo Mendes, que, atualmente, foi preso pelo assassinato de sua esposa. Com o passar do tempo, Leandro passa a se envolver e se identificar cada vez mais com as ideias do controverso diretor, ao mesmo tempo que busca encontrar "O Jogo das Decapitações", filme de Jairo, censurado pelo Regime Militar, e até hoje, desaparecido.




Essa é apenas a linha mestra da trama, o que proporciona a Bianchi expôr bastante de sua fúria contra a mediocridade da sociedade. O "porta-voz" do cineasta, digamos assim, parece ser Rafael, amigo de Leandro, que sempre está incomodado com o discurso fácil de alguns militantes de Esquerda, e, por isso, não raro, é chamado de reacionário. São dele as melhores falas, como, por exemplo, quando uma espécie de museu é inaugurado em homenagem às vítimas da Ditadura Militar, e ele presencia uma pequena apresentação teatral, simulando um ato de tortura. Então, ele diz à mãe de Leandro, idealizadora do projeto:

"Esse 'parque temático' é pouco demais, não acha? Não incomoda à senhora, que foi presa, ver essa exaltação dessas ao sofrimento e à tortura? Eu não vivi na época da Ditadura, é verdade, mas, se a gente for pensar bem, a tortura é um instrumento de poder desde o Brasil colônia. Desse tempo pra cá, só em apenas alguns poucos anos, teve gente da classe média que foi torturada. Agora, louvar isso como um estado de exceção é classismo!" 

"Reaça!", gritam os mais eufóricos.




Com o passar do tempo, e com sua mãe mais e mais envolvida na questão das indenizações às vítimas da Ditadura Militar (não por acaso, e de maneira muito provocativa, todos são brancos e de classe média), Leandro vai tomando outra forma de consciência. Exemplo disso, é quando, simbolicamente, ele cobre um organograma bem detalhado que fez para a sua tese de mestrado com recortes de notícias, cartas e fotografias de Jairo Mendes. De forma prática, ele passa a questionar de maneira mais categórica a nítida divisão de classes de muitos que protestam contra o Regime Militar. "Anistia ampla, gradual e irrestrita? E, os presos comuns, como ficam?"

Para compor seu enredo com mais vigor ainda, Bianchi usa bastante de imagens oníricas, como se fossem sonhos (seriam alucinações?) em que Leandro se sente oprimido, e sente a violência dos "decapitados", os que sofrem suas ditaduras cotidianas, sem o mínimo de atenção do Estado ou dos militantes de qualquer um dos lados. Sem indenização, sem respeito, sem dignidade (e, ainda torturados). São sub-textos difíceis de construir, afinal, a fogueira das vaidades dos que pregam ideologia A ou B pode ofuscar a reflexão pertinente que Bianchi propõe neste filme. Mas, o diretor dribla isso com segurança no discurso que acredita, sem medo ou covardia de qualquer patrulha que viesse a sofrer.




Como cinema, podemos dizer que "O Jogo das Decapitações" é estranho, pelo menos, na forma usual de vermos a sétima arte. Mas, não podemos acusar o diretor de oportunismo. Bianchi sempre fez filmes brutais, pra colocar o dedo na ferida, desde sua estreia em "Maldita Coincidência", em 1979 (por sinal, cujos trechos estão nesse outro filme, como sendo uma produção do cineasta fictício Jairo Mendes). Quem já está acostumado com Bianchi, irá encontrar aqui muito de sua obra e de sua personalidade. Se ele está certo ou errado em suas observações, cabe refletirmos em cima do que ele expõe, e não julgá-lo, meramente.

Pra quem ousar assistí-lo, a única exigência e se despir de qualquer vaidade ou ego que venha a considerar Bianchi como um reacionário. Afinal, não estamos falando de Lobão, Roger ou Danilo Gentili, e sim, alguém com inteligência ímpar, e que já está aí, há muito tempo, fazendo um cinema de provocação, expondo nossas mazelas e sacudindo nossas ideias. Se a sociedade atual não possui maturidade suficiente para assimilar tais críticas, não culpemos Sérgio Bianchi, e sim, a nós mesmos. Um dia, talvez, chegaremos lá.


Nota: 9/10


Classificação:

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…