Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Madame Satã" (2002)
Direção: Karim Aïnouz.


Os marginalizados. Esses, sempre ficam no imaginário popular, como uma espécie de entidade a pairar em nossa imaginação, às vezes, lembrando que podemos ir um pouco além. Madame Satã, negro, gay, pobre, malandro, nunca se curvou às exigências da sociedade. Como ele mesmo dizia, "tinha um bicho dentro dele, que não deixava que se endireitasse!" Viveu como quis, e pagou o preço. Ponto, e sem julgamentos. Sem julgamentos, também, é o que nos proporciona essa visceral cinebiografia, dirigida com vigor, e interpretada de forma monstruosa.

Pra começo de conversa, sem retoques. Tudo é seco e sujo, dos cenários aos diálogos. Nada é necessariamente bonito, mas, tudo é muito humano, muito próximo à nossa realidade. À realidade dos excluídos, dos demonizados, dos "inimigos" de sempre. O filme vai abordando de maneira contundente a trajetória nada convencional de João Francisco dos Santos (posteriormente, conhecido como Madame Satã). Lembremos que estamos falando da década de 30, aonde o preconceito a todas as categorias que Madame Satã se enquadrava era latente, com bastante perseguição das autoridades, inclusive.




E, todo esse contexto é muito bem tratado no roteiro, com os acontecimentos ocorrendo de maneira espontânea. Da prisão do protagonista, ao seus amores, passando pela sua eterna luta consigo, e chegando até p auge de sua carreira, com a consagração em diversas apresentações no carnaval, vamos acompanhando tudo muito "de perto". A câmera de Karim é muito certeira ao enquadrar ângulos muito próximos aos personagens, como se quase pudéssemos tocá-los. Um nível de intimismo que deixa o envolvimento de espectador ainda mais real (basta conferir a estonteante cena de apresentação do protagonista no bar de um amigo, em que nos sentimos naquele ambiente, literalmente).

No entanto, não esperem qualquer forma de empatia com Madame Satã. O personagem não é carismático, apesar de ter uma incrível vivacidade. Muitas vezes, ele é rude e até opressor com seus melhores amigos, mas, até isso se torna um tanto "compreensível" pelo modo como ele sempre foi tratado: um verdadeiro animal. Apesar de tanta brutalidade, há espaço para paixões, mesmo que de um jeito bruto, mas, com um certo amor; um amor autêntico. E, chegamos, é verdade, a termos muita piedade do personagem, e sua condição de marginalizado. Uma condição, não necessariamente, fruto do meio, mas, o ambiente sendo um fator importante para definir quem é Madame Satã.




Evitando qualquer forma de julgamento de valor, o roteiro desenvolve um protagonista cheio de defeito, mas também com qualidades muito perceptíveis. Ajuda muito a dupla de coadjuvantes Laurita e Tabu, amigos inseparáveis de Madame Satã, que mesmo mal-tratados muitas vezes pelo colega, não o abandonam, e até tentam ajudá-lo a se "endireitar". Mesmo assim, o ambiente (sempre ele) prova o quanto as pessoas podem ser escabrosas, e o personagem principal vai ter que lutar (e, muito) por sua dignidade.

O filme, em si, é correto em diversos aspectos. Não há cenas mal-construídas, situações constrangedoras ou algum outro maneirismo que possa atrapalhar a experiência de assistí-lo. Da (óbvia) trilha sonora ]repleta de sambas e marchinhas de carnaval, à crueza técnica, tudo é bem cuidado, sem desleixo. No campo das atuações, todos estão muito convincentes, mas, não há como negar que "Madame Satã" é de Lázaro Ramos. Sua interpretação é de magistral entrega ao personagem, dos trejeitos, à forma de falar, até pequenos detalhes, como um olhar, por exemplo. Melhor trabalho de Lázaro no cinema, sem dúvida.




Como cinema, "Madame Satã" é um filme que "transpira" (não há outra definição m,ais precisa). Ele é um ente vivo, que como seu protagonista, pulsa, ama, odeia, bate, vive. Sentí-lo e não apenas assistí-lo seria o ideal. Pra quem ainda possui qualquer insensato preconceito em relação ao cinema brasileiro, "Madame Satã" prova (entre tantos outros) que o cinema nacional é de qualidade, mas, sem precisar de muita coisa. Basta um bom roteiro, uma boa direção e boas atuações, além de muito "entrega" de todos. O resto é "cineminha" pra gringo ver.


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…