Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2016
Dica de Filme

"Ferrugem e Osso" (2012)
Direção: Jacques Audiard


Algumas regras, quando quebradas, são de tal forma desconcertantes, que fica a dúvida do porquê tantos seguem um padrão, fazendo sempre mais do mesmo, e entregando algo pouco marcante. "Ferrugem e Osso", dentro desse contexto, é um filme, digamos, "fora da caixa". Quem lê a sinopse assim por alto, sobre um romance entre um vigilante que participa de lutas clandestinas nas horas vagas, e uma treinadora de orcas, que após um grave acidente, perde as duas pernas, pode até pensar que se trata de uma produção comum sobre superação, mensagem edificantes, coisas desse tipo, enfim. Mas, não é bem assim.
Logo nos primeiros minutos, vemos Alain viajando com o seu filho pequeno. Instantes depois, descobrimos que ele está indo se instalar na casa da irmã. Esse sequencial de cenas já demonstra certo diferencial no filme. Relação entre pai e filho é, sim, de afeto e carinho, mas, em determinados momentos, um…
Dica de Filme

"Ponyo" (2008)
Direção: Hayao Miyazaki


O cinema de animação é um campo fértil, possuindo mil e uma possibilidades a serem exploradas. Pena que a maioria dos desenhos siga sempre o mesmo esquema, com os mesmo tipos de personagens, as mesmas lições de moral, os mesmos tipos de aventuras. Bem-feitas, sim, porém, em grande parte, vazias. Nesse contexto, os filmes do mestre Miyazaki se destacam, e muito, não somente pela qualidade técnica incontestável das animações, mas também pela forma de contar as histórias, com sub-textos que vão além de meras mensagens edificantes, flertando, em muitos casos, com a necessidade do respeito à natureza, algo que fica bem explícito em "Ponyo".
Tudo começa no fundo do mar, com uma sequência de imagens deslumbrantes, de um multicolorido estupendo. Mas, felizmente, estamos falando de Miyazaki, e o maravilhoso visual não sublima o enredo (um dos grandes pecados das animações atuais). É quando conhecemos Ponyo, um estranho e si…
Dica de Disco

"The Serenity of Suffering" (2016)
Artista: Korn


A arte não é uma prática engessada, nem tem a obrigação de seguir regras. No entanto, quando se começa uma determinada linha (e, ela dá certo), é muito melhor que essa linha seja mantida até o fim. Na música, por exemplo, é comum, um disco começar muito bem, e ir perdendo força aos poucos, aonde, no final, acabamos tendo um resultado pífio. E, parece que o Korn tem esse "karma" a cumprir, se bem que, dessa vez, o resultado não ficou tão ruim assim, muito pelo contrário. Mas, deu "esperanças" de que este novo lançamento da banda seria um excelente disco, coisa que não é.
Vamos aos fatos. Esqueçamos qualquer forma de preconceito. Não importa se é new metal, doom metal, black metal, ou qualquer sub-gênero inútil. É tudo rock, e em primeira instância, tudo música. Se ela for boa, não custa nada apreciá-la,, seja ela um belo jazz ou um carismático samba de raiz. Com isto, e antes de mais nada, o Korn…
Debate Sócio-Político

A Única "Culpa" da Vítima é "Existir"
Por Erick Silva


Um dos maiores problemas dessa sociedade um tanto medíocre é o fato dela se apoiar em discursos fáceis. Quem nunca ouviu a simplória frase "bandido bom é bandido morto", como se isso fosse, de fato, resolver a questão da violência atual. Pois, é. Com outros assuntos, é exatamente a mesma coisa: pega-se uma ideia pré-concebida, geralmente, muito rasteira, sobre algo necessariamente complexo, e se acha que apenas com frases de efeito o tal problema será magicamente resolvido. Com isso, muitos grupos que, de alguma maneira, já sofreram (e, ainda sofrem) preconceito, acabam sendo mais estigmatizados ainda. É o caso das mulheres.
Citarei aqui dois acontecimento específicos ocorridos recentemente. Primeiro, uma jovem cai do ônibus em movimento, e morre, devido à imprudência do motorista, que ia em alta velocidade, e abriu uma das portas do coletivo. Na época, questionou-se o porquê da men…
Dica de Disco

"Red Sun" (2016)
Artista: Three Leg Dog


2016 está sendo um ano atípico. Primeiro, porque grandes medalhões do rock, como Green Day, Dream Theather e Red Hot Chilli Peppers, soltaram trabalhos muito fracos, em contrapartida a uma expectativa muito alta. E, segundo, porque a "salvação" pode estar justamente nas bandas mais independentes, que, verdade seja dita, estão dando um banho nos veteranos. Claro, não exageremos ao ponto de bradarmos que há um novo grunge ou um novo punk emergindo por aí. Mas, o que se nota, e é fato, é que esses novos grupos possuem influências bem delimitadas, porém, ao invés de meras cópias, o que tentam fazer é, a partir do que conhecem, construírem, se não algo necessariamente novo, mas, um som que tenha energia de sobra.

É aí que chegamos ao Three Leg Dog, formado em 2013, na cidade de Tallinn, na longínqua Estônia. De cara, poderíamos pensar: mais um power trio? Mais um grupo que baseia seu som no Led, no Sabbath, e adjacênci…
Disco Não Recomendável

"Revolution Radio" (2016)
Artista: Green Day


Que ano difícil esse para os "blockbusters" do rock estadunidense, não? Até agora, as "superproduções" do gênero se mostraram bem aquém do esperado. Primeiro, foi o Red Hot Chilli Peppers que gravou um álbum bem insosso. Depois, foi a vez do Blink 182 colocar um disco bem apagado no mercado. E, agora chega a vez do Green Day provar que precisa se reinventar o quanto antes, senão... O disco em questão atende pelo nome de "Revolution Radio", e pouco ou nada lembra o ótimo "American Idiot" ou o seminal "Dookie". Não que a banda tenha a obrigação de se repetir, muito pelo contrário. Mas, se for pra fazer algo diferente, que seja com instiga, carisma e alguma qualidade.
O problema do novo lançamento do Green Day é que as músicas, mesmo bem executadas, são genéricas demais, lembrando um pouco do que o grupo fez anteriormente, mas, sem aquele senso de novidade, ou até…
Lista

Os 20 Melhores Cineastas (em Atividade)


É comum pensarmos que essa era moderna está acabando com a arte autoral, ao passo que os grandes realizadores estão, cada vez, mais escassos. Verdade que no cinema, poucos são os diretores que, na atualidade, diferenciam-se dos demais, criando algo, se não exatamente novo, mas, pelo menos, com o mínimo de qualidade e relevância. Por isso, segue uma lista com os 20 melhores diretores do cinema atual, aqueles que, por algum motivo, destacam-se, fazendo a gente relembrar o porquê gostamos desse negócio chamado CINEMA.


20°
Christopher Nolan (país: EUA)

Típico caso de ame-o ou odeio-o. Um dos diretores que mais fez filmes rentáveis nos últimos anos, tanto é considerado um mestre do entretenimento adulto, quanto, na mesma proporção, é considerado um diretor pedante. Mesmo que com alguns exageros, no entanto, é notável que a sua filmografia esteja repleta de produções peculiares, e que colocaram o cinema comercial em outro nível, seja nos filmes de …