Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Prisoner" (2017)
Artista: Ryan Adams


O que esperar do rock alternativo nos dias de hoje? Ainda há espaço para trabalhos autorais? Bem, alguns artistas, como Ryan Adams, independem de tendências, de mercado ou de mainstream, sempre fazendo algo interessante, acima da média. Este "Prisoner" já é o 16° trabalho de estúdio dele, o que prova sua persistência num ambiente atual não tão favorável ao seu tipo de música. O melhor de tudo é que ele é um tremendo álbum, com padrão de qualidade que Ryan, com frequência, coloca em seus trabalhos. Já devidamente calejado na carreira, e não tendo que provar mais nada pra ninguém, ele expõe muito bem suas influências, de Bruce Springsteen a Bob Dylan, com ecos dos anos 80, tipo Smiths, Echo and the Bunnymen, e por aí vai. O resultado pode não ser fenomenal, mas, é bastante agradável aos ouvidos.

Mas, inusitadamente, a primeira faixa do disco, "Do You Still Love Me?", não lembra nenhuma dessas referências, e sim, um pouco de Jack White, com guitarras distorcidas e tudo. Um ótimo começo, por sinal. A canção seguinte, que nome ao álbum, aí sim, lembra Springsteen, bem como a terceira faixa, "Doomsday". É como uma viagem no tempo (de um bom tempo), em que se privilegiavam as letras, os arranjos, enfim. "Haunted House", que vem logo depois, bebe muito na fonte de Dylan, até na entonação do cantor, que ficou bem parecida. As duas próximas canções, "Shiver and Shake" e "To Be Without You" já possuem um estilo mais Ryan Adams, digamos assim. Quem está familiarizado com os últimos discos do cantor, vai perceber essa identidade.



Com "Anything I Say To You Now", voltamos aos anos 80 de novo, agora, com tudo nela remetendo ao U2 (na boa fase da banda irlandesa, diga-se - "War" e "The Joshua Tree"). O espírito de Dylan retorna com a bonita "Breakdown", e mostra que Adams tem um grande talento para compor músicas simples, mas, ricas em conteúdo e execução. A animada "Outbound Train", com suas guitarras minimalistas e batida quebrada, não faria feio nessas festas mais descoladas. Já, a (de início) acústica "Broken Anyway" repete um pouco demais a fórmula, e desgasta logo nos primeiros segundo, apesar da competência. Felizmente, ela é rápida (menos de 3 minutos). E, o mesmo pode ser dito de "Tightrope", mas, que, pelo menos, nos momentos finais possui arranjos bem elaborados de piano e sax que compensam a mesmice, e trazem algum diferencial. E, tudo se encerra com a ótima "We Disappear", que consegue ter mais personalidade que as duas anteriores, e consegue fechar o trabalho de maneira bem satisfatória.

Que fique claro: não estamos diante de um disco que vai revolucionar nada. Na realidade, a intenção de Ryan Adams aqui pareceu ser bem mais fazer uma homenagem aos seus ídolos da música, do que qualquer outra coisa. E, deu certo. Tirando uma ou outra faixa mais ou menos, todo o álbum é muito bom, otimamente executado, e com letras simples, mas, honestas (bem ao gosto de Adams). Pra quem quiser algo bastante diferente, o ideal é procurar em outro lugar. Mas, para quem quiser reviver alguns dos melhores momentos do rock nas últimas décadas, num tom mais de nostalgia do que de originalidade, "Prisoner" é um disco certeiro. E, em certos momentos, só isso já é o bastante.

Baixar:
https://soundpark.pt/album/torrent-209229-ryan-adams-prisoner-lossless-2017


Nota: 8/10



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…