Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Prisoner" (2017)
Artista: Ryan Adams


O que esperar do rock alternativo nos dias de hoje? Ainda há espaço para trabalhos autorais? Bem, alguns artistas, como Ryan Adams, independem de tendências, de mercado ou de mainstream, sempre fazendo algo interessante, acima da média. Este "Prisoner" já é o 16° trabalho de estúdio dele, o que prova sua persistência num ambiente atual não tão favorável ao seu tipo de música. O melhor de tudo é que ele é um tremendo álbum, com padrão de qualidade que Ryan, com frequência, coloca em seus trabalhos. Já devidamente calejado na carreira, e não tendo que provar mais nada pra ninguém, ele expõe muito bem suas influências, de Bruce Springsteen a Bob Dylan, com ecos dos anos 80, tipo Smiths, Echo and the Bunnymen, e por aí vai. O resultado pode não ser fenomenal, mas, é bastante agradável aos ouvidos.

Mas, inusitadamente, a primeira faixa do disco, "Do You Still Love Me?", não lembra nenhuma dessas referências, e sim, um pouco de Jack White, com guitarras distorcidas e tudo. Um ótimo começo, por sinal. A canção seguinte, que nome ao álbum, aí sim, lembra Springsteen, bem como a terceira faixa, "Doomsday". É como uma viagem no tempo (de um bom tempo), em que se privilegiavam as letras, os arranjos, enfim. "Haunted House", que vem logo depois, bebe muito na fonte de Dylan, até na entonação do cantor, que ficou bem parecida. As duas próximas canções, "Shiver and Shake" e "To Be Without You" já possuem um estilo mais Ryan Adams, digamos assim. Quem está familiarizado com os últimos discos do cantor, vai perceber essa identidade.



Com "Anything I Say To You Now", voltamos aos anos 80 de novo, agora, com tudo nela remetendo ao U2 (na boa fase da banda irlandesa, diga-se - "War" e "The Joshua Tree"). O espírito de Dylan retorna com a bonita "Breakdown", e mostra que Adams tem um grande talento para compor músicas simples, mas, ricas em conteúdo e execução. A animada "Outbound Train", com suas guitarras minimalistas e batida quebrada, não faria feio nessas festas mais descoladas. Já, a (de início) acústica "Broken Anyway" repete um pouco demais a fórmula, e desgasta logo nos primeiros segundo, apesar da competência. Felizmente, ela é rápida (menos de 3 minutos). E, o mesmo pode ser dito de "Tightrope", mas, que, pelo menos, nos momentos finais possui arranjos bem elaborados de piano e sax que compensam a mesmice, e trazem algum diferencial. E, tudo se encerra com a ótima "We Disappear", que consegue ter mais personalidade que as duas anteriores, e consegue fechar o trabalho de maneira bem satisfatória.

Que fique claro: não estamos diante de um disco que vai revolucionar nada. Na realidade, a intenção de Ryan Adams aqui pareceu ser bem mais fazer uma homenagem aos seus ídolos da música, do que qualquer outra coisa. E, deu certo. Tirando uma ou outra faixa mais ou menos, todo o álbum é muito bom, otimamente executado, e com letras simples, mas, honestas (bem ao gosto de Adams). Pra quem quiser algo bastante diferente, o ideal é procurar em outro lugar. Mas, para quem quiser reviver alguns dos melhores momentos do rock nas últimas décadas, num tom mais de nostalgia do que de originalidade, "Prisoner" é um disco certeiro. E, em certos momentos, só isso já é o bastante.

Baixar:
https://soundpark.pt/album/torrent-209229-ryan-adams-prisoner-lossless-2017


Nota: 8/10



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…