Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Inimigo Meu" (1985)
Direção: Wolfgang Petersen


A ficção científica no cinema sempre teve enorme diferença em relação a que se encontra na literatura. Isso porque os filmes, em muitas ocasiões, mostram-se mais preocupados com uma ação descerebrada ou uma aventura boa, e tira do gênero o seu essencial: a reflexão sobre a condição humana em diversos aspectos. Isso fica ainda mais evidente quando se trata de adaptações de livros (como os esquecíveis "Eu, Robô" e "Tropas Estelares"), cujas histórias originais eram profundos estudos sociais. Já, os seus respectivos filmes não passaram de meros blockbusters de verão. Mas, há os que se salvam, e ainda hoje, têm alguma mensagem importante em suas tramas, aparentemente, simples. É o caso de "Inimigo Meu".

Na verdade, este é o tipo de filme que, analisando bem, dificilmente seria feito nos dias de hoje. Explico: aqui, ao contrário das megaproduções atuais, o foco não é a ação, ou os efeitos especiais, e sim, a história e o que ela tem para ser explorada em várias vertentes. Uma história que não flerta só com a questão da amizade, como muita gente, comumente, atribui a "Inimigo Meu", mas, também a questões como tolerância entre os diferentes. Troquem o ser humano e o alienígena do filme por qualquer nação de hoje e os imigrantes que se refugiam nelas, e teremos uma produção tipo "sessão da tarde", que, ironicamente, consegue provocar mais do que muita produção pretensamente crítica por aí, fazendo uma dura crítica à intolerância e ao preconceito. Quem diria, não é mesmo?




A trama, em si, não tem nada de complexa, mas, também não compromete. Estamos no futuro, onde humanos e alienígenas do planeta Dracon disputam territórios no espaço. Numa dessas disputas, duas naves caem num planeta inóspito; uma, com um humano,m e a outra, com um habitante de Dracon. Não tarda em ambos se encontrarem, e as primeiras diferenças surgirem, fazendo com que eles fiquem em pé de guerra o tempo todo, mesmo tendo que conviver juntos a partir de então. E, é nessa convivência que aprenderão a ficarem unidos, respeitando um ao outro, numa troca mútua de favores, às vezes, com brigas, mas, com o passar do tempo, cada vez mais compreensão entre ambos.

Sim, pode parecer uma premissa meio piegas, mas, acreditem, não tem nada forçado nesse sentido aqui. O roteiro é bem feito, juntando momentos de um humor mais leve, com outros mais tensos e violentos. O principal da história, que é a relação de amizade e tolerância construída entre os dois é feita de forma gradativa, de maneira mais calma que o habitual para uma superprodução, o que chega a impressionar. E, tudo mostrado de maneira crível e até comovente, principalmente, quando o alienígena de Dracon começa a expôr mais de seus costumes ao humano, numa prova de inteira confiança, e que vai além da questão do individualismo (de início, os dois só cooperavam um com o outro para conseguirem sobreviver planeta hostil).




Mesmo quando o roteiro revela um ponto um tanto estranho na trama, ainda assim, a história não perde o rumo, passando, é verdade, a ficar mais com cara de aventura. Mas, uma ótima aventura, diga-se bons efeitos especiais para a época, cuja a maioria não ficaram datados. Nota-se, inclusive, cenas um pouco mais violentas do que o normal para um filme pipoca (ah, os icônicos anos 80...), o que, decerto, chocaria boa parte do público atual, acostumado a tudo bastante comportado nas ficções científicas de hoje. E, é isso o que faz muitos filmes dessa época serem relevantes ainda hoje. Seus realizadores não tinham receio em ousar, em colocar uma cena um pouco mais pesada, ou fazer o público refletir através de uma hist´poria verdadeiramente cativante. 

O elenco parece se divertir muito, com todos bem naturais em seus papéis, desde o galã Dennis Quaid (que estava no auge), até Louis Gossett Jr., ótimo, mesmo sob quilos de maquiagem, e, ainda assim, fazendo um trabalho impecável como o habitante de Dracon. Já, o diretor Wolfgang Petersen, que, um ano antes, havia feito outro filme ícone dos anos 80 ("História Sem Fim"), neste, não perde a mão em nenhum momento, conduzindo tudo com muita segurança. Só que o grande mérito de "Inimigo Meu" continua sendo o seu roteiro forte, baseado na obra de Barry B. Longyear. Não apenas apostando na velha premissa de dois personagens que não se suportam, e que depois, passam a ser amigos, ele também fala, mesmo que sutilmente, sobre assuntos que ainda hoje se mostram relevantes, e que podem até serem usados para debatermos sobre a tão falada xenofobia nos dias atuais.




Mesmo não sendo de todo excepcional, e pecando por alguns momentos involuntariamente cômicos, "Inimigo Meu" está acima da média das produções de ficção científicas hollywoodianas, justamente, por tentar ir além de convencionalismos, e tentar dialogar com público, ao invés de apenas atordoá-lo com toneladas de pirotecnia. E, é por essas e outras que dificilmente esse tipo de filme seria feito nos dias de hoje. Enquanto procuramos saber o que deu errado com o cinemão dos EUA nos últimos anos, cabe tranquilamente reassistir "Inimigo Meu" quantos vezes forem necessárias. É diversão com conteúdo, sem contra-indicações.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…