Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Inimigo Meu" (1985)
Direção: Wolfgang Petersen


A ficção científica no cinema sempre teve enorme diferença em relação a que se encontra na literatura. Isso porque os filmes, em muitas ocasiões, mostram-se mais preocupados com uma ação descerebrada ou uma aventura boa, e tira do gênero o seu essencial: a reflexão sobre a condição humana em diversos aspectos. Isso fica ainda mais evidente quando se trata de adaptações de livros (como os esquecíveis "Eu, Robô" e "Tropas Estelares"), cujas histórias originais eram profundos estudos sociais. Já, os seus respectivos filmes não passaram de meros blockbusters de verão. Mas, há os que se salvam, e ainda hoje, têm alguma mensagem importante em suas tramas, aparentemente, simples. É o caso de "Inimigo Meu".

Na verdade, este é o tipo de filme que, analisando bem, dificilmente seria feito nos dias de hoje. Explico: aqui, ao contrário das megaproduções atuais, o foco não é a ação, ou os efeitos especiais, e sim, a história e o que ela tem para ser explorada em várias vertentes. Uma história que não flerta só com a questão da amizade, como muita gente, comumente, atribui a "Inimigo Meu", mas, também a questões como tolerância entre os diferentes. Troquem o ser humano e o alienígena do filme por qualquer nação de hoje e os imigrantes que se refugiam nelas, e teremos uma produção tipo "sessão da tarde", que, ironicamente, consegue provocar mais do que muita produção pretensamente crítica por aí, fazendo uma dura crítica à intolerância e ao preconceito. Quem diria, não é mesmo?




A trama, em si, não tem nada de complexa, mas, também não compromete. Estamos no futuro, onde humanos e alienígenas do planeta Dracon disputam territórios no espaço. Numa dessas disputas, duas naves caem num planeta inóspito; uma, com um humano,m e a outra, com um habitante de Dracon. Não tarda em ambos se encontrarem, e as primeiras diferenças surgirem, fazendo com que eles fiquem em pé de guerra o tempo todo, mesmo tendo que conviver juntos a partir de então. E, é nessa convivência que aprenderão a ficarem unidos, respeitando um ao outro, numa troca mútua de favores, às vezes, com brigas, mas, com o passar do tempo, cada vez mais compreensão entre ambos.

Sim, pode parecer uma premissa meio piegas, mas, acreditem, não tem nada forçado nesse sentido aqui. O roteiro é bem feito, juntando momentos de um humor mais leve, com outros mais tensos e violentos. O principal da história, que é a relação de amizade e tolerância construída entre os dois é feita de forma gradativa, de maneira mais calma que o habitual para uma superprodução, o que chega a impressionar. E, tudo mostrado de maneira crível e até comovente, principalmente, quando o alienígena de Dracon começa a expôr mais de seus costumes ao humano, numa prova de inteira confiança, e que vai além da questão do individualismo (de início, os dois só cooperavam um com o outro para conseguirem sobreviver planeta hostil).




Mesmo quando o roteiro revela um ponto um tanto estranho na trama, ainda assim, a história não perde o rumo, passando, é verdade, a ficar mais com cara de aventura. Mas, uma ótima aventura, diga-se bons efeitos especiais para a época, cuja a maioria não ficaram datados. Nota-se, inclusive, cenas um pouco mais violentas do que o normal para um filme pipoca (ah, os icônicos anos 80...), o que, decerto, chocaria boa parte do público atual, acostumado a tudo bastante comportado nas ficções científicas de hoje. E, é isso o que faz muitos filmes dessa época serem relevantes ainda hoje. Seus realizadores não tinham receio em ousar, em colocar uma cena um pouco mais pesada, ou fazer o público refletir através de uma hist´poria verdadeiramente cativante. 

O elenco parece se divertir muito, com todos bem naturais em seus papéis, desde o galã Dennis Quaid (que estava no auge), até Louis Gossett Jr., ótimo, mesmo sob quilos de maquiagem, e, ainda assim, fazendo um trabalho impecável como o habitante de Dracon. Já, o diretor Wolfgang Petersen, que, um ano antes, havia feito outro filme ícone dos anos 80 ("História Sem Fim"), neste, não perde a mão em nenhum momento, conduzindo tudo com muita segurança. Só que o grande mérito de "Inimigo Meu" continua sendo o seu roteiro forte, baseado na obra de Barry B. Longyear. Não apenas apostando na velha premissa de dois personagens que não se suportam, e que depois, passam a ser amigos, ele também fala, mesmo que sutilmente, sobre assuntos que ainda hoje se mostram relevantes, e que podem até serem usados para debatermos sobre a tão falada xenofobia nos dias atuais.




Mesmo não sendo de todo excepcional, e pecando por alguns momentos involuntariamente cômicos, "Inimigo Meu" está acima da média das produções de ficção científicas hollywoodianas, justamente, por tentar ir além de convencionalismos, e tentar dialogar com público, ao invés de apenas atordoá-lo com toneladas de pirotecnia. E, é por essas e outras que dificilmente esse tipo de filme seria feito nos dias de hoje. Enquanto procuramos saber o que deu errado com o cinemão dos EUA nos últimos anos, cabe tranquilamente reassistir "Inimigo Meu" quantos vezes forem necessárias. É diversão com conteúdo, sem contra-indicações.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…