Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Culpas" (2014)
Direção: Riley Stearns


Temas complexos precisam de abordagens complexas. Porém, cinema comercial, afeito a que seus espectadores pensem (o velho "desligue o cérebro, e divirta-se"), sempre injeta filmes e mais filmes de consumo fácil, assistidos hoje, e esquecidos amanhã. Poucos têm uma ousadia autêntica de nos levar além das aparências estéticas de um cinema meramente estiloso, fazendo abordagens pontuais de temas realmente espinhosos. Vez ou outra, aparecem, no entanto, algumas pérolas imunes a qualquer forma de compreensão rasteira que a arte arte, em geral, tende a oferecer. E, eis que chegamos a este "Culpas", interessante filme a dialogar sobre temas difíceis de uma maneira não usual.

O assunto em questão é a religião, mais especificamente, a fé. Mas, não somente, pois, essa fé se desdobra em temas como o poder das escolhas individuais e do livre arbítrio. E, é especialmente sobre isso que trata os livros de Ansel Roth, um falido especialista em controlar mentes, que sempre teve como mote profissional tratar de pessoas que sofreram lavagem cerebral em cultos religiosos. Só que hoje Ansel é apenas uma sombra do que já foi, e os primeiros minutos do filme provam isso, quando ele tenta ludibriar o gerente do restaurante do hotel aonde ele está hospedado para poder comer de graça. Com sérios problemas financeiros, só que a ele fazer mini-palestras sobre seus livros, que não fazem sucesso algum, e ainda atraem parentes de pessoas que ele prejudicou no passado.




É numa dessas palestras que ele encontra uma oportunidade de ouro: um casal pede seus serviços para "curar" a sua filha, que se envolveu numa seita religiosa e que está com comportamentos cada vez mais estranhos e violentos. A princípio, Ansel recusa a proposta, mas, precisando do dinheiro para pagar uma dívida a um agiota bastante violento, aceita o trabalho. Para começar, simplesmente sequestra a garota, mantendo-apor cinco dias num quarto de hotel, realizando uma espécie de terapia, com a supervisão dos pais dela. Só que, ao longo do tratamento, Ansel se envolve demais com os problemas da garota e, por tabela, de seus pais, ao mesmo tempo que tem que lidar com sua dívida, o que pode lhe custar a vida.

O roteiro é bem articulado ao entrelaçar todos os acontecimentos de maneira intrigante e inusitada, fazendo com que a gente não somente se importe com os personagens, mas, fique ansioso pelas próximas cenas. Os diálogos não são jogados ao vento. Ao contrário, possuem uma importância narrativa muito forte ao longo da trama, principalmente as conversas entre Ansel e a garota, que, não por acaso, revelam mais da personalidade dele, do que dela. O melhor: não são falas de difícil compreensão, mas, certamente, exigem uma certa atenção para se entender coisas mais abstratas, sensoriais, e que mexam com um lado mais psicológico do que racional. Pois, é, não estamos diante de um filme muito simples, não.




A trama é cheia de significados, mas, uma palavra resume muito bem os personagens e suas histórias: CONTROLE. É através dele que se desenrolam outros temas, como o livre arbítrio, as escolhas pessoas, e, por fim, a tão famigerada culpa. Não à toa, o nome do grupo religioso do qual a garota faz parte se chama "Culpas". E, aos poucos, não só ela vai sendo questionada por Ansel, mas também vai questionando a própria vida do especialista, num jogo interessante entre a dicotomia de quem está controlando quem. Ou, estariam todos sendo controlados? As dúvidas vão pairando no ar, num clima de tensão constante, mas, sem parecer nada forçado, num crescendo gradativo e sem apelações.

Além do roteiro bem elaborado e das ótimas intenções em se tratar assuntos não muito fáceis, ainda temos atributos do melhor que o cinema pode oferecer. A começar pelas atuações, em particular, as de Leland Orser e Mary Elizabeth Winstead, que fazem de seus personagens criaturas intrigantes, fugindo de qualquer caricatura que outros atores poderiam fazer. São contidos e introspectivos quando precisam ser, e descontrolados quando a história exige. Não mais que isso. Destaque também para o jovem diretor estreante Riley Stearns, que aqui nem parece ser o seu primeiro filme, tamanho o domínio narrativo que ele tem para manter o interesse da trama do começo ao fim.




"Culpas" é um exemplar um tanto peculiar no cinema atual. É um filme sério, que fala sobre assuntos sérios da maneira séria, mas, sem soar pedante, boçal, ou algo do tipo. Basta o espectador se deixar envolver em sua trama sinuosa e cheia de boa reflexões para presenciar um cinema de conteúdo em meio a tantas coisas vazias que a sétima arte tem nos proporcionado. Claro, por ser recente, talvez se precise de um tempo para que ele seja descoberto e redescoberto pelo público sempre que possível. Mas, quem topar assistí-lo, dificilmente se arrependerá. A recompensa será uma produção adulta como pouco tem se visto nos últimos anos.


Nota: 8,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…