Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"The Void"
2016
Direção: Steven Kostanski e Jeremy Gillespie


APESAR DE ALGUNS FUROS DE ROTEIRO, TERROR GORE QUE HOMENAGEIA "HELLRAISER" E "ENIGMA DO OUTRO MUNDO" É UMA DAS SURPRESAS DO ANO NO GÊNERO TERROR

Meter medo no público cinéfilo é tarefa complicadíssima hoje em dia. Isso porque as produções que se denominam "de terror", não passam de filmes pseudocults, aplaudidos por sua carga dramática de várias camadas subjetivas que, pra ser sincero, não vão a lugar nenhum. Recentemente, podemos citar os incensados "Fragmentado" e "Corra!", que a despeito de algumas boas qualidade, não passam de "fogo de palha", e não metem medo nem no campo psicológico. Então, eis que, sem inventar praticamente nada, homenageando ícones do cinema de terror do passado, que a brutal produção "The Void" chega para mostrar como impactar o público, mesmo que ainda possua algumas falhas, vícios, pelo visto, inerentes aos filmes desse gênero atualmente.




De início, uma sequência chocante mostra um casal fugindo de uma casa, com ela sendo alvejada por dois homens, e ele conseguindo escapar. Os algozes, então, "terminam" o serviço, e queimam o corpo da mulher. Nisso, pra quem conhece o mínimo de filmes desse gênero, já vai perceber uma ligação meio óbvia com um certo clássico oitentista. Bem, o rapaz que conseguiu fugir é encontrado na estrada pelo policial Daniel Carter, e levado imediatamente a um hospital. (Muitas) coisas estranhas começam a acontecer a partir disso, e todos que se encontram no hospital passam a viver num verdadeiro inferno, com situações cada vez mais bizarras e desesperadoras.

Sim, "The Void" não nega suas referências, e tal honestidade confere ao filme algo "original" e impactante, mesmo que não seja, necessariamente, novo. O principal defeito do longa, mais uma vez, são algumas atitudes incompreensíveis dos personagens. Obviamente, que numa situação aterradora daquela, muitos realmente são compelidos a fazerem algum tipo de bobagem, mas, o pessoal dos filmes de terror exageram, e deixam a coisa, geralmente, muito intragável de ver. Isso não ocorre em demasia com "The Void", mas, algumas situações forçam a mão, como numa cena em que Carter atira numa mulher que acabou de matar um paciente num dos leitos do hospital, sendo que ela estava munida apenas com uma tesoura, podendo ele ter desarmado ela sem precisar matá-la. Mas, felizmente, são casos isolados, e, na maioria das vezes, até que os personagens aqui se comportam como "deveriam". 




O destaque mesmo vai para a atmosfera densa e a violência aterradora das imagens. Algumas "mutações" mostradas aqui possuem, sem sombra de dúvidas, o mesmo impacto das cenas grotescas de "Enigma do Outro Mundo", e, assim, como este, "The Void" usa efeitos especiais mais práticos de maquiagem, deixando tudo mais verosímil, e, consequentemente, mais amedrontador. Algumas cenas podem até apresentar um gore um pouco mais exagerado, como no momento em que Carter e outros descem ao porão do hospital, e encontram "coisas" das quais não gostariam. Porém, mesmo com tanto sangue, a sequência, ainda assim, consegue causar mais pavor do que repulsa (ah, se os técnicos de efeitos visuais daqui fossem os mesmos de "Eu Sou a Lenda"...). 

Interessante que a medida que o filme avança, a sua história vai melhorando, e consequentemente, a construção dos personagens, e as suas atitudes diante de tanto terror, o que não é comum nesse tipo de produção, quando a parte final, geralmente, é um banho de água fria em toda a atmosfera criada no início. O terceiro ato reserva instantes um pouco mais filosóficos e metafóricos (a exemplo do francês "Martyrs"), e mesmo não se aprofundando nos assuntos que aborda, o roteiro consegue amarrar de forma satisfatória os fatos que ocorreram desde o início do longa até aqui. Poderia, é verdade, ter evitado algumas situações forçadas, mas, no geral, algumas partes mais absurdas são compensadas ao término da produção, que incomoda e inquieta como todo filme de terror deveria fazer.




Não esperem grandes atuações em "The Void". O elenco é competente, mas, não vai muito além disso. A direção conjunta de Steven Kostanski e Jeremy Gillespie também não é extraordinária, porém, eles sabem como envolver o espectador naquele clima pesado, e conseguem extrair o melhor das referências que o roteiro possui. "The Void", portanto, pode não ser um primor, no entanto, consegue o objetivo de um bom filme de terror: apavorar o espectador. Pode até parecer simples, mas, não é. Com cada vez mais realizadores preocupados em transformar o gênero numa espécie de drama extremamente raso, com diversas metáforas que não se completam, esse tipo de cinema anda causando mais sono do que insônia. Por isso, mesmo com defeitos, este filme aqui cumpre muito bem o seu papel, e isso, hoje em dia, já basta.


Nota: 7,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…