Pular para o conteúdo principal
Filme Mais ou Menos Recomendável

"A Autópsia"
2016
Direção: André Øvredal


INUSITADO FILME DE TERROR COMEÇA MUITO BEM, MAS, PERDE-SE EM SUAS PRETENSÕES DE METER MEDO NO ESPECTADOR

Às vezes, algo escapa de ser excelente por pequenos detalhes. Ou seja, não é necessário muita coisa. Basta tentar fazer diferente, sem tantos convencionalismos. O cinema de terror, por exemplo, padece muito desse mal. Tudo bem que nesse tipo de filme pouco é exigido do roteiro, das atuações, e de outros atributos, cabendo, pelo menos, a capacidade de meter medo no espectador. E, convenhamos: qual produção faz isso ultimamente? Nenhuma. Eis que "A Autópsia" tinha tudo para cumprir essa tarefa, até mesmo porque a direção meticulosa de André Øvredal (bem melhor do que a de Shyamalan no recente e incensado "Fragmentado") constrói um clima, de fato, apavorante aqui. Porém, o roteiro esquemático e cheio de clichês estraga tudo, infelizmente.




E, até que "A Autópsia" começa bem, dando a impressão de que vai por um caminho, pelo menos, um pouco mais diferenciado do que o normal. De início, uma câmera contemplativa, mostrando os arredores de uma bela casa, e, ao passo que vamos olhando mais perto, percebemos algo de errado. É então que adentramos nosso olhar na residência, onde ocorreu uma terrível chacina, sem explicação alguma. A sensação lembra um pouco a sequência inicial de "Seven", quando os policiais encontram a primeira vítima daquele serial killer. A partir daí, já pensamos que uma história interessante pode surgir daí. Eis que, no porão da casa, está semi-enterrada uma garota, que, imediatamente, é levada para uma autópsia, a cargo de Tommy Tilden, que, ao lado do seu filho, Austin, comanda um necrotério na pequena cidade onde vivem.

E, essa parte da autópsia, em si, é deveras bem feita, não sendo necessariamente tão gore como poderia ser, mas, incomodando na medida certa. Ao mesmo tempo, pelo menos, de início, vemos que Tommy e Austin são dois personagens muito bons, inteligentes, falando coisas acertadas, e tentando de uma maneira profissional descobrir o que aconteceu à garota. Não é preciso muito tempo para que simpatizemos com eles, nem é necessário que saibamos muito sobre a sua profissão para entendermos o que estão fazendo e porquê. Emergimos facilmente na história. O problema surge quando algo muito pavoroso é encontrado no corpo da garota, e o terror, enfim, começa. Aí, o caldo entorna, pois, Tommy e Austin que, antes, mostravam-se pessoas sensatas e equilibradas, agora, passam a cometer todo tipo de besteira, colocando a vida deles em risco através de atitudes muito bobas, E, haja furos no roteiro.




Agora, verdade seja dita: nesses momentos em que o terror dá as caras no filme, o clima que é gerado realmente mete medo, e algumas cenas dão um autêntico frio na espinha. Porém, com as atitudes cada vez mais infantis dos protagonistas, tanto pavor se desfaz no ar. E, tantas falhas se devem basicamente ao roteiro de Richard Naing e Ian B. Goldberg (os mesmos que escreveram a história do próxima "Sexta-Feira 13"). Quando as explicações para os estranhos fenômenos daquela autópsia vão aparecendo, a verossimilhança vai sendo deixada de lado. Não que fantasiar demais num filme de terror seja ruim. É preciso que haja uma boa justificativa para os acontecimentos que pretendem deixar o público apavorado. Mas, não há. Pra se ter uma ideia clara disso, num determinado momento, Tommy começa a desvendar alguns dos mistérios "do nada", como se ele estivesse lendo o roteiro naquele instante. Fica demasiadamente forçado.

A direção do estreante André Øvredal até que consegue tirar algum leite de pedra aqui, muito por conta de sua inventividade em nos ambientar aos mínimos espaços, fazendo com a gente se sinta dentro da ação. Outro ponto um pouco positivo são as atuações, em especial, as de Brian Cox e Emile Hirsch, que conseguem dar carisma aos seus personagens, mesmo quando eles cometem burrices inacreditáveis em determinados momentos. Há também Olwen Catherine Kelly, que, mesmo sem dizer uma palavra, e interpretando uma pessoa morta (!) consegue passar uma sensação de medo constante, como se alguma coisa fosse acontecer a qualquer momento. A parte técnica também se destaca positivamente, principalmente, na maquiagem, conseguindo mostrar uma autópsia de maneira incomodamente natural. 




"A Autópsia" prova o quanto está difícil do cinema estadunidense atual fazer um bom filme de terror que seja. Quando tudo parece que vai dar certo, acontece o oposto, a acabada dando tudo errado. Algo que começa bem, instigante, sutilmente amedrontador, ao final, escolhe o caminho mais fácil por pura falta de ousadia. Só que não chega a ser um filme necessariamente ruim, mas, são tantas possibilidades jogadas fora, que não deixa de ser frustrante constatar que o que poderia ser marcante, devido a uma certa covardia dos seus realizadores, acomoda-se numa produção meia boca, facilmente esquecível. Uma pena que os realizadores de filmes de terror de hoje tenham, ironicamente, tanto medo de nos fazer ter medo. Literalmente, apavorante.


Nota: 5,5/10


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…