Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2014
DICA DE FILME


"TAXI DRIVER" (1976)
Direção: Martin Scorsese.





A solidão. Ato de olhar para si. Não ter ninguém. Refletir sua condição. Preencher o vazio com coisas mundanas. Quanto mais caminha, mais dúvidas vão aparecendo. O desespero em querer fazer algo, em poder SER algo. Até que... tudo explode da pior forma possível.

Pode parecer confuso, mas essa é a mente de alguém. Mais precisamente de Travis Bickle, um renegado, um pária, alguém simplesmente que está à margem da sociedade. Além de ser anti-social, ele nutre um profundo ódio pelo o que aí está.



O fato dele ter servido durante a Guerra no Vietnã contribui para o seu estado de espírito. E, agora, como taxista a perambular pelas ruas de Nova Iorque, seu desconforto só aumenta.

Nada parece lhe agradar. De seus amigos de profissão até uma jovem (que é cabo eleitoral de um conhecido candidato a Senador), nenhuma pessoa lhe interessa verdadeiramente. Isso até conhecer a Iris, uma garota de programa das proximidades. Travis se…
DEBATE SÓCIO-POLÍTICO

O ÓDIO À DEMOCRACIA




A confusão parece estar sendo a grande característica dessa geração. Uma coisa é facilmente tomada por outra, quando, na verdade, uma rápida reflexão já bastaria para reconhecer onde está o erro.

Depois dessas recentes eleições, o Brasil tem passado por isso de maneira preocupante. O mote agora é dizer que o país está dividido. Se a referência a essa "divisão" fosse à porcentagem de votos que os dois principais candidatos obtiveram, seria ótimo.




Disputas acirradas fazem parte do processo, e são, até certo ponto, justas e necessárias.

Mas, o que, perigosamente, está sendo colocado é que a nação está dividida em duas regiões bem distintas, que votaram em dois partidos bem diferentes. E isso está causando uma verdadeira avalanche de discursos de ódio.

Os alvos principais estão sendo pobres e nordestinos, teoricamente, os "culpados" pela reeleição de Dilma Roussef, do PT. Não é preciso muito para encontrar a falha nessa linha de…
DICA DE FILME

"PARIS, TEXAS" (1984)


Todos nós buscamos por algo, mesmo que não saibamos exatamente o quê. Quando vemos Travis caminhando a esmo no meio do deserto, logo no início de "Paris, Texas", pensamos: "O que ele procura? Por que caminha, aparentemente, sem destino?"

As respostas, ao longo das duas horas e meia do filme não serão nada fáceis. Mas, emocionarão. O irmão de Travis procura por ele há 4 anos, desde o seu desaparecimento. Quando finalmente o encontra, ele está maltrapilho, transtornado, com um olhar triste e perdido.



A partir daí, vemos as tentativas dele em se readaptar no convívio social. Dois detalhes importantes: ele tem um filho, Hunter, que irá tentar reconquistar, e além disso ele se recusa a dizer a qualquer um os motivos do seu desaparecimento.

É como se Travis fosse uma outra pessoa antes de sumir, e, por causa de algum trauma, tenha se sentido tão vazio que passou a vagar sem destino.

O diretor Wim Wenders impõe um ritmo bem len…
DICA DE FILME

"O VENTO SERÁ SUA HERANÇA" (1960)
Direção: Stanley Krammer.


A intolerância religiosa parece mesmo ter tomado conta do Brasil. É cada vez mais frequente vermos pessoas utilizando suas crenças para conseguirem privilégios ou tentarem impedir os direitos dos outros. Nada mais oportuno, portanto, do que assistir um filme que mostra, de forma sincera, o velho embate entre religião e ciência.

O longa-metragem fala da história de um professor que, por ensinar as teorias de Darwin aos seus alunos, é preso por infringir a lei local, que só permite ensinar em escolas públicas o criacionismo (doutrina baseada na Bíblia). A partir daí, vai se travar um verdadeiro duelo nos tribunais. Uns querem calar o professor em seu ofício (acusação), e outros desejam permitir a liberdade do ensino científico nas escolas da pequena cidade (defesa).



O melhor de "O Vento será sua Herança" é que ele não torna o clima do enredo pesado. O filme é permeado por ironias e sarcasmos muit…
FILME NÃO RECOMENDADO

"DEUS NÃO ESTÁ MORTO" (2014)
Direção: Harold Cronk.


Diz o ditado que, de boas intenções, o Inferno está cheio. Se essa máxima é verdadeira, não sei. Mas, é fato que muitas coisas aparentemente inocentes, ou que poderiam render boas discussões, acabam apelando para manipulações desnecessárias e mal-intencionadas.

Com o filme "Deus Não Está Morto", acontece exatamente isso. Seus primeiros 10 minutos já são suficientes para percebermos do que se trata: doutrinação em forma de cinema. Nada é colocado de forma espontânea; tudo é milimetricamente calculado para passar uma "mensagem".

O problema não é o fato de ser uma produção religiosa, nem de querer propagar uma crença. A grande questão que faz dele um filme ruim é COMO ele passa essa crença. E, o jeito encontrado pelos roteiristas foi o de forçar a barra em situações bastante inverossímeis, artificias.



A manipulação já começa com os próprios personagens, onde o professor de filosofia é re…
DICA DE FILME

"A PEDRA DA PACIÊNCIA" (2012)
Direção: Atiq Rahimi.


O cinema com enfoque no Oriente Médio tem nos proporcionado boas surpresas no decorrer dos anos. Já tivemos desde a simplicidade de "A Maçã" até a intensidade de "A Separação". O que todos têm em comum é que não vemos neles arquétipos sociais do lugares que retratam, mas, simplesmente, pessoas comuns tentando levar suas vidas. Essa universalidade de temas é que faz toda a diferença e ainda quebra alguns preconceitos.

"A Pedra da Paciência" vai mais ou menos pelo mesmo caminho. Mais ou menos porque, a cada momento, temos a nítida sensação de onde estamos: num lugar e numa cultura realmente opressoras, cuja guerra faz parte do cotidiano dos que vivem ali. Em especial, vamos encontrar a figura da mulher reprimida, não só pelo contexto político, mas também, e, principalmente, religioso.



O filme também é universal ao expôr a ânsia de sua personagem principal pela liberdade. Algo que pode…
DICA DE FILME

"LUZES DA RIBALTA" (1952)
Direção: Charles Chaplin.


Seria possível um drama de Chaplin ser tão bom (e, em alguns aspectos) melhor do que as suas comédias? Sim, isso é plenamente lógico. Afinal, estamos falando não somente de um gênio do humor, mas também que se destacou em várias outras formas de arte, como música, literatura e teatro.

Inclusive, esta última vertente (o teatro) é o grande homenageado em "Luzes da Ribalta". Não que a comédia não tenha seu espaço. A diferença, no entanto, é que se trata de um filme SOBRE o humor, não tendo ele como mote principal.



Aqui, Chaplin faz o veterano comediante Calvero, que pensa estar decadente. Deprimido, bebe bastante ("para tentar ser tão engraçado quanto era", segundo ele mesmo diz). Só que quando salva uma jovem bailarina de cometer suicídio, a vida de ambos começa a mudar.

É quando Calvero passa a ter mais confiança em voltar aos palcos, e Thereza (a bailarina) passa a ver a vida sem toda a angús…
DICA DE DISCO

"AVE SANGRIA" (1974)




Alguns trabalhos artísticos são reverenciados por anos, e, ainda hoje, continuam influentes. Por exemplo: às vezes, basta o lançamento de apenas um disco para transformar uma banda num mito. Com o Ave Sangria aconteceu exatamente isso.

Oriunda do Movimento "Udigrúdi", que misturava a cultura local com a psicodelia da época do Woodstock, o grupo teve carreira meteórica. Com certa dificuldade, gravou seu primeiro disco, mas sucumbiram pouco tempo depois.

No mesmo ano, fizeram o último histórico show, chamado "Perfumes e Baratchos", no Teatro de Santa Izabel, em duas noites com ingressos esgotados.




O próprio disco "Ave Sangria" divide opiniões até entre os ex-integrantes da banda, que não ficaram totalmente satisfeitos com o resultado. E, de fato, percebe-se que o ótimo potencial do grupo não foi devidamente explorado.

A sonoridade, especificamente, ficou menos pesada do que o esperado, parecendo um Quinteto Violad…
DICA DE FILME

"MAGNÓLIA" (1999)
Direção: Paul Thomas Anderson.


A vida e seus pequenos pormenores; as suas minúsculas desgraças; os seus tão formidáveis egoísmos. Somos feitos de nossos (muitas vezes) pequenos problemas; e é isso o que nos define, o que determina quem seremos. É quase uma determinação do destino ou coisa que o valha.

E, tudo parece estar interligado, unido numa lógica que não se entende quando se está no olho do furacão. Mas, visto de longe, são mosaicos; vidas tão minúsculas, e ao mesmo tempo, importantes dentro do seu contexto.



Em linhas gerais, o filme "Magnólia" é isso: um apanhado de sofrimentos humanos, ligados um ao outro, mas sem ninguém (ou quase ninguém) se dar conta de quem está ao seu lado, em muitos casos, com um sofrimento maior do que o seu.

A produção começa acelerada, bastante histérica, mostrando que pequenos atos podem causar incríveis acontecimentos. Não por acaso, o narrador dessa e de outras tantas estórias é um policial que acr…