Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2015
Dica de Disco

"Pride & Glory" (1994)
Artista: Pride and Glory.


Zakk Wylde sempre foi um guitarrista bacana. Sempre! Seja na banda do madman Ozzy Osbourne, seja na sua própria, o Black Label Society, ele raramente decepciona. O que poucos conhecem é esse projeto aqui, feito após a turnê do disco "No More Tears", do Ozzy. Originalmente, chamada de Lynyrd Skynhead, foi rebatizada para Pride & Glory, lançando um único disco em 1994.

E, que discaço!


Pra quem é familiarizado com os trabalhos de Wylde, sabe que o cara tem os dois pés fincados no southern, aquele rock sulista, cadenciado, bem típica, com boas doses de blues e peso. E, é isso o que encontramos logo na primeira faixa, "Losin' Your Mind". Com dedilhados de banjo, a música tem uma qualidade absurda, riquíssima em influências. Um cartão de visitas pra ninguém botar defeito.

O início de "Horse Called War" é pura distorção, pra desembocar numa típica música à lá Zakk Wylde, e sua voz…
Dica de Filme

"Boyhood - Da Infância à Juventude" (2014)
Direção: Richard Linklater.


O hype, sempre ele, engana fácil, fácil. Algo é colocado nas alturas, e, logicamente, a expectativa cresce. E, quando vemos, de fato, do que se trata, surge uma certa decepção. "Boyhood", por exemplo, não chega a ser um grande hype, nem tão pouco é uma decepção, mas, é bem aquém daquilo que andaram propagando sobre ele. O negócio, então, é assistir ao filme de maneira despojada. Funciona melhor.

O bom é que dá pra relaxar durante a projeção do longa, pois, ele é bem fluido, a estória se desenrola bem calma, simples. E, por isso mesmo, competente. O maior atrativo aqui é o espectador contemplar a vida, e suas nuances, seus percalços, suas singularidades. Nesse aspecto, o filme se assemelha muito a "Azul é a Cor Mais Quente". Ambos são longas produções, cada uma beirando as três horas de duração, mas, o que está em pauta é o cotidiano quase "banal" dos personagens.




Dica de Filme

"Asura" (2012)
Direção: Keiichi Sato.


A perda da humanidade pode ser tratada de diversas maneiras. "Tornar-se humano", direta ou indiretamente, pode ter virado uma necessidade; e um karma nosso. Pois, a bem da verdade, o que seria isso? Como ser alguém "humanizado"? Será que as atrocidades que as pessoas cometem, cotidianamente, são, justamente, pelo fato delas serem humanas, e estarem apenas seguindo seus instintos, sua natureza talvez bestial?

Nesse contexto, o anime "Asura" nos mostra uma criança "bestializada" que, nascida no meio da guerra e da fome, fica sozinha no mundo desde muito cedo. Sem nenhuma criação, educação ou convívio com pessoas, segue seu consciente mais animalesco. Devora outros humanos para se alimentar, ao mesmo tempo que vaga sem destino. Um errante, sem saber, ao certo, em que mundo está, ou o porquê das coisas. Tenta apenas sobreviver.




Pode parecer um tema batido, mas o desenho tem pontos a favor q…
Dica de Documentário

"Cobain - Montage of Heck" (2014)
Direção: Brett Morgen.


Aviso: esta resenha foi escrita por um fã inveterado do Nirvana e da pessoa de Kurt Cobain. Por isso, não estranhem se aqui ou acolá aparecerem alguns adjetivos um tanto exagerados. Ossos do ofício. Contudo, tentarei ser o mais imparcial possível para que vocês tenham noção da qualidade deste documentário. Só que, de cara, tenho que admitir: que tremendo filme conseguiram fazer!

O que, de fato, temos aqui é um apanhado nada óbvio de um dos grandes expoentes da música nas últimas décadas (perdão pela constatação, Kurt. Sei que você não aprovaria!). Seria muito fácil explorarem o já tão explorado suicídio dele como "mais uma atitude insana de um roqueiro viciado em drogas". Não, a questão apresentada aqui vai mais fundo, e tenta buscar as origens de tudo o que se passou na vida do artista.



Para tanto, são mostradas imagens dele ainda bebê. Com o passar dos anos, o documentário vai expondo, cl…
Dica de Filme

"Relatos Selvagens" (2014)
Direção: Damián Szifron.


Há filmes que conseguem requentar, de forma competente, velhas e batidas fórmulas. Uma produção, por exemplo, como "Relatos Selvagens", automaticamente, remete a "Short Cuts - Cenas da Vida" e "Magnolia". Ou seja, apresentam um mosaico de personagens, cada um com uma estória particular. A diferença é que "Relatos" não é um drama, e sim, uma comédia. Porém, tem similaridades com os outros longas no quesito ironia. E, nesse sentido, o filme é ótimo.

Cada um de seus seis capítulos joga e brinca com conceitos, esteriótipos, problemas cotidianos, etc. Um dos melhores é o terceiro, ao mostrar dois homens que, brigando numa estrada por motivos banais, descobrem da pior forma as consequências de uma violência insana. E, esse mote segue praticamente em todos os outros episódios: uma crítica pesada ao nosso atual mode vida, ao status quo, mas, sempre com um sarcasmo feroz.




Até por s…
Especial
10 Grandes "Suicídios Comerciais" da Música

Quando se forma um público fiel e se lança discos elogiados por todos, o mais seguro é sempre os artistas entregarem aquilo que se quer, sem riscos. Alguns, no entanto, quebram a tradição do "mais do mesmo", e resolver correr contra a maré. A estranheza e a crítica severa serão inevitáveis, mas, o resultado, muitas vezes, é recompensador.


10º
Álbum: "Pinkerton" (1996)
Banda: Weezer
O que público e crítica queriam? Uma nova "Buddy Holly".
O que tiveram? Um disco melancólico, repleto de assunto que aludiam à desilusões, o que contrastava (e muito) com o trabalho de estreia da banda. Na época do lançamento, quase todos foram implacáveis em taxar "Pinkerton" de lixo. Os leitores da Rolling Stone o elegeram o terceiro pior lançamento de 1996. O tempo, porém, colocou o álbum no seu devido lugar: uma obra singular e pesada de um grupo quase sempre alegre e festivo, como o Weezer.



Álbum: "Di…