Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"Domésticas" (2001)
Direção: Fernando Meirelles e Nando Olival.


O cinema de cunho social no Brasil padece de duas coisas: uma é a falta de humor leve, deixando tudo muito sisudo e pesado (o que é até compreensível) e a outra (esta, bem pior) é o excesso de metáforas, um pedantismo absurdamente chato de um pessoal cult que tenta fazer críticas profundas, mas, acaba deixando tudo muito ridículo ("O Som ao Redor" é um bom exemplo). Já, "Domésticas", primeiro longa do cultuado Fernando Meirelles, escapa de ambas as armadilhas, e nos oferece um retrato simples, porém, contundente sobre a realidade brasileira, sendo engraçado, mas, fazendo críticas diretas, sem covardia.

Acompanhamos o cotidiano de diversas empregadas domésticas, e o mundo que gira ao redor delas. Mas, não só. O filme, em muitas ocasiões, também dá voz a todas, com elas se posicionando frente à câmera, falando de seus anseios, sonhos, preocupações. Um ótimo recurso para quebrar com a narrativa convencional, e dar um frescor extra às histórias de cada uma. Há a que é muito religiosa, a que é atrapalhada, e só vive perdendo os empregos, a que deseja ser modelo, a que vive infeliz no casamento, a que vive procurando por um namorado, enfim. Uma gama de personagens cativantes, que, de alguma forma, têm muito em comum, além do fato de serem domésticas.




Um ponto importantíssimo do roteiro é que ele não se presta a julgamentos morais. Existe aquela que é bastante religiosa, mas, que não é tratada como uma fanática incontrolável. Outro exemplo é da que quer ser modelo, e acaba seguindo outro rumo. E, como essas, há muitas outras que podem até ter suas falhas, só que não são julgadas por isso. Ao contrário. O filme serve como um bonito e eficiente mosaico da vida comum dessas pessoas, que, mesmo diante de tantas dificuldades, ainda encontram tempo para cultivarem sentimentos como o amor e a amizade. Gente como a gente, sem maquiagens ou filtros carregados.

Outra questão muito bem desenvolvida no roteiro é o humor. Mesmo que você identifique uma pesada crítica social, você também vai rir de diversas situações pelas quais as domésticas retratadas aqui passam, mas, nunca partindo para o mau gosto ou a baixaria. Trata-se de um humor natural, espontâneo, sem querer ser apenas engraçadinho, e sim, mostrando com leveza um dia-a-dia aonde todas precisa de uma certa dose de alegria pra continuam caminhando, mesmo em meio a tantas dificuldades. 




Em termos de crítica social, o filme é um primor. Primeiro, porque ele não mostra nenhum patrão; a produção é das domésticas, e aqui só elas têm voz e vez. Isso faz toda a diferença, pois, o foco acaba sendo em pessoas das quais, muitas vezes, não percebemos que existem, ou que achamos que não possuem opinião própria, por exemplo. O choque vem do fato de expor que, muitas vezes, uma empregada doméstica pode ser até mais consciente do que o seu patrão. Essa quebra de paradigma, principalmente, nos dias de hoje, é muitíssimo bem vinda.

Mesmo econômica, a direção de Nando Olival, e, principalmente, de Fernando Meirelles consegue ser envolvente e ter estilo, já mostrando, mesmo que ainda timidamente, o que este último iria fazer, um ano depois, com o estupendo "Cidade de Deus". Atores e atrizes também encarnam muito bem seus respectivos papéis, sem precisar apelar pro caricato, em nenhum momento, forçando a mão numa caracterização pouco convincente. Também não dá pra não destacar a trilha sonora, composta exclusivamente de bregas das antigas e de rap, tudo muito bem amarrado com a narrativa.



"Domésticas" é, sem dúvida, um pequeno grande filme do cinema nacional recente. Não se presta a críticas fáceis ou rasteiras, nem quer agradar a um pessoal pseudo-intelectual, que vive fazendo mil e e uma teses sociais, sem nunca compreenderem nada. "Domésticas" é "povão", mas, "povão" inteligente, incomodado e que tem o que dizer. Mais ou menos o que "Que Horas Ela Volta?" fez e ano passado, só que, este, focado em apenas uma personagem. Prova mais do que clara de que o cinema nacional pode ir bem além dos cults e das comédias pastelão.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…