Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"O Fantástico Sr. Raposo" (2009)
Direção: Wes Anderson.


Wes Anderson é dos poucos cineastas norte-americanos atuais que podemos dizer que faz, de verdade, um cinema autoral. É relativamente fácil identificar os seus filmes, sempre cheios de excentricidades, situações nonsenses e uma incrível predileção para personagens desajustados e inadequados socialmente. Lembra um pouco o jeito de Tim Burton, sendo que este, na maioria das vezes, faz caricaturas leves da sociedade. Ao passo que Anderson parece ser mais incomodado com as coisas, e, por isso, mostra-se mais cínico, digamos assim.

"O Fantástico Sr. Raposo" é baseado num livro, digamos, "infantil", mas, Anderson se apropriou com tanta firmeza da história que o argumento parece ter sido escrito por ele. É um enredo que se encaixa perfeitamente com as maluquices habituais do diretor. Fala, basicamente, das desventuras de Raposo, que, após ter, aparentemente, abandonado a vida de ladrão, começa a trabalhar num jornal e se casa. Constrói uma família, mas, sente-se incompleto como animal selvagem. É dessa inquietação que vão surgir inúmeros problemas que o farão repensar sua condição na cadeia alimentar.




Ok, a premissa, de fato, é (bem) estranha, mas, incrivelmente, funciona na tela. Conta muitos pontos a favor a animação ser em stop motion, o que dá um charme extra ao desenho, e é condizente com sua aura mais adulta. E, mesmo em stop motion, a produção é muito bem cuidada, tendo um nível de animação bem competente e interessante. Algumas sequências, como a do supermercado, perto do final, mostram bem esse esmero na hora de construir os cenários, minimalistas, mas, cuidados com precisão.

A história, em si, pode, à primeira vista, parecer um tanto infantil, mas, apresenta camadas interessantes de interpretação. Vai desde de a preocupação em ascender economicamente numa sociedade competitiva, até a questão do respeito e da tolerância (algo, por sinal, mais bem resolvido aqui do que na recente animação "Zootopia"). A falta de adequação aos padrões sociais "normais" faz de Raposo um eterno inconformado, em busca de algo a mais para a sua vida. Nesse sentido, remete um pouco ao icônico personagem de Kevin Spacey em "Beleza Americana".




Como é de praxe nos filmes de Anderson, o humor também está presente. Só que não esperem aquele humor pastelão ou apelativo que se convencionou a ser feito na atual cinemão hollywoodiano. A graça aqui é um tanto carregada, e, de tão absurda, faz rir. Não chega a ser um riso forçado, porém, ele dá uma outra dimensão para o humor, o que é ótimo, pois, tira um pouco o espectador daquela zona de conforto do humor fácil e rasteiro. Pra quem assistiu "O Grande Hotel Budapeste", última produção de Anderson, dá pra perceber que essa característica é marcante na filmografia dele.

Outro ponto interessante do filme é a dublagem original. Temos, por exemplo, um George Clooney e uma Meryl Streep fazendo do Sr. e da Sra. Raposos, respectivamente, um casal bastante inusitado. Há também "coadjuvantes de luxo", como um sempre insano Willen Dafoe fazendo a voz de um rato psicopata e lutador de artes marciais (!). A trilha sonora, que vai de sons infantis (mais puxados pra uma espécie de provocação, mesmo), ao rock britânico completa a obra de maneira muito esperta, combinando perfeitamente com o sarcasmo que impera na animação.




E, Wes Anderson, mais uma vez, conseguiu. Entregou um filme que tem o seu charme, é perturbador, mas, cativante, e que, mesmo sendo uma adaptação, tem a sua cara. Um cineasta, que, mesmo não realizando filmes tão excepcionais, possui uma identidade que faz com que suas obras sejam, quase sempre, um espetáculo interessante de se assistir. No meio de tanta mesmice ou de propensos "revolucionários da sétima arte", Anderson nos traz um antídoto simples: filmes com histórias bem contadas. Apenas isso.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…