Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"A Montanha Sagrada" (1973)
Direção: Alejandro Jodorowsky.


Intenso, visceral, perturbador, crítico, audaz, triste, poético, onírico, insano, violento, sagaz, bonito, filosófico, indigesto, sublime, revolucionário, atemporal. Provavelmente, ainda faltem alguns adjetivos para descrever a sensação que é assistir "A Montanha Sagrada", do cineasta chileno Alejandro Jodorowski. Claro, pra quem já está acostumado à filmografia nada convencional do diretor, talvez ver este filme é estar meio que "preparado" para os inúmeros choques de consciência, que não deixam o espectador em paz durante sua projeção. Mas, paras os desavisados de plantão, só há duas alternativas: amá-lo ou odiá-lo. Um jargão se faz necessário: não é uma produção fácil.

Até descrever a história do filme não é das tarefas mais simples. Talvez, seja até melhor não se ater à história, mas, aos simbolismos que ela carrega. E, são muitos. É necessário atenção e envolvimento com a narrativa. Pelo enredo ter tantas metáforas, chega a ser complicado, é verdade. Mas, se o espectador abandonar, nem que seja por míseras duas horas, o senso comum das coisas, e embarcar na proposta do filme, é quase certo que a experiência será das melhores, mas, não das mais agradáveis, diga-se. As imagens são fortes, carregadas e violentas, porém, jamais gratuitas.




E, além da história principal, em si, há os sub-textos, que, de alguma maneira, completam o enredo, como se aquelas mensagens não fossem meros pontos isolados da trama, mas sim, uma colcha de retalhos que formam um todo, pelo qual Jodorowski quer nos convidar a refletir. Temos críticas das mais variadas, que atacam a religião, a sociedade de espetáculo e a colonização das Américas, passando por coisas mais subjetivas, como o consumismo e o nosso (natural) instinto violento. Tudo isso repleto de imagens oníricas, algumas lindas, outras completamente repugnantes.

Para compor um roteiro tão cheio de significados, que, inclusive, perpassam pela arte da alquimia, Jodorowski pegou bastante de seu conhecimento próprio, já que, além de cineasta, ele é poeta, quadrinista, dramaturgo, ensaísta, tarólogo e especialista em psico-magia (!). Além disso, o diretor, ainda muito jovem, trabalhou como palhaço de circo e artista de marionetes, o que se reflete em boa parte de seus filmes, que, sempre acabam tendo alguma referência a artistas circenses. Mesmo com tanta bagagem, e realizando a trama de "A Montanha Sagrada" em meio a tantas inspirações, todos esses elementos são colocados na história de forma incrivelmente orgânica, quase natural, por incrível que possa parecer.




Porém, umas das principais críticas que Jororowski faz nesse filme é em relação à religião, mais, especificamente, ao Cristianismo, que toma uma boa parte da projeção inicial do longa. O fato do "personagem principal" ter bastante semelhança física com Jesus Cristo não é à toa, gerando sequências verdadeiramente brilhantes e desconcertantes, que evidenciam, por exemplo, o comércio da fé e a hipocrisia de boa parte dos religiosos. Quando outros personagens aparecem no enredo, há também interessantes críticas feitas à sociedade, já que cada um deles representa uma espécie de "dono de um planeta", em que eles têm funções bem delimitadas: construir jogos de guerras, fabricar máscaras para as pessoas fingirem quem não são, e por aí vai.

Como se vê, de fato, não é um enredo de fácil assimilação, porém, quando se começa a assistir "A Montanha Sagrada", o espectador, às vezes, sem perceber, vai se acostumando às "viagens" visuais, mesmo que não consiga captar tudo. O que move o filme é a grande inquietação de Jodorowski diante das coisas do mundo, e esse sentimento de revolta, ainda presente nos dias de hoje, porém, mais intenso naquela época, cria uma espécie de identificação com as nossas próprias angústias. Trata-se de um filme não pra ser assistido, mas, sentidos por todos os poros do corpo.




Mesmo passados mais de 40 anos, "A Montanha Sagrada" não envelheceu. Ao contrário: continua sendo uma das produções mais inquietantes, transgressoras, revolucionárias e inacessíveis da história do cinema. Aquele tipo de filme que é preciso se assistir, pelo menos, uma vez na vida, seja você cinéfilo ou não. Com suas múltiplas mensagens e cenas, até hoje, provocativas, a produção consegue fazer refletir com as imagens mais aterradoras possíveis, sem jamais ser apelativo. Que outro cineasta e sua obra conseguiria tal façanha em tempos de "arte fácil"?


Nota: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Dica Cultural

Festival MIMO 2016
Programação Olinda


MIMO significa Mostra Internacional de Música em Olinda. E, também resistência de arte da melhor qualidade. Nasceu em 2004, na cidade pernambucana que leva seu nome, e que hoje é patrimônio histórico da humanidade. O que não significa que o festival não ocorra em outros lugares, como vem acontecendo há alguns anos. Este ano, por exemplo, em sua 13ª edição, a MIMO já desembarcou em Portugal, e nas cidades brasileiras de Ouro Preto, Tiradentes, Paraty e, nos próximos dias, no Rio de Janeiro. E, claro, haverá espaço para sua cidade natal, Olinda, que irá abarcar inúmeras atrações de peso entre os dias 18 e 20 de novembro próximos.
A seguir, a programação completa da MIMO em Olinda.


CONCERTOS

18 Novembro / Sexta-Feira

Zeca Baleiro - Violoncelo e Piano
18h - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

João Fênix
19h - Igreja do Carmo

João Bosco & Hamilton d Holanda
19h30 - Mosteiro de São Bento / Palco Se Ligaê

Mário Laginha & Pedro Burmes…