Pular para o conteúdo principal
Dica de Filme

"K-Pax - O Caminho da Luz" (2001)
Direção: Iain Softley.


Chega a ser inusitado que alguns filmes sejam tão bons, e, ao mesmo tempo, sejam notórios desconhecidos. Mais inusitado ainda são exemplos como "K-Pax", que possui dois grandes atores em ótimas performances, e mesmo assim, é desdenhado mundo afora. Uma injustiça, pois, trata-se de um filmão, enigmático e muito bonito, com uma história fascinante. Claro, o enredo não é dos mais fáceis de assimilar, pois, ele passa boa parte do tempo apenas dando pistas em cima de uma narrativa mirabolante, e que ainda tem, nas entrelinhas, críticas sociais bem pontuais.

Aparentemente, o roteiro é sem nexo, dando conta de um homem, Prot, que, misteriosamente aparece durante um assalto, e diz que é um viajante de outro planta, K-Pax. Manado pra uma clínica psiquiátrica, ele passa a ser tratado pelo doutor Mark Powell, que, a princípio vê Prot com ar de incredulidade, mas, que depois, passa a sentir dúvidas a respeito de seu estranho paciente, dadas as histórias incrivelmente convincentes que este relata. E, é nesse misto de incerteza e fascínio, que Powell tentará ajudar Prot de alguma maneira.





O que mais chama a atenção é o roteiro e os seus sub-textos. A presença de Prot em cena, independente dele ser ou não, um extraterrestre (o que só vai se "revelar" no último ato do filme), é motivo suficiente para ele tecer críticas um tanto ácidas à nossa sociedade, desde as relações familiares, até a questões políticas. Tudo sob a ótica de alguém que está de visita na Terra, e se "espanta" com o nosso atraso em termos de evolução. São diálogos muito afiados, e que até por serem travados, em sua maioria, dentro de um hospital psiquiátrico, ganham um tom diferenciado. Não raro, os "loucos" são mais inteligentes e atentos do que os ditos "normais".

Além desse viés mais crítico e mordaz, a história em si é muito boa, e contada sem pressa, fazendo com que o espectador assimile cada momento. Mesmo um pouco lento, o filme tem ritmo, e segura a atenção até o final. Talvez a "descoberta" do passado de Prot seja um tanto forçada (típica daquelas pseudo-investigações que quase todo filme hollywoodiano tem), mas, nem isso estraga a produção. Apenas quebra um pouco a narrativa pra tentar explicar demais, quando poderia ter deixado tudo mais misterioso e bem mais interessante.





Um ponto muito a favor são as atuações, em especial, de Kevin Spacey e Jeff Bridges. Enquanto o primeiro entrega um Prot carismático, e, ao mesmo tempo, frágil, o segundo faz de seu Dr. Mark um personagem incrédulo com tudo, que não se relaciona de maneira positiva com a família, muito menos, com o filho do primeiro casamento. São pessoas passando por inquietações autênticas, sem tanta maquiagem, fazendo de seus dramas algo crível. A direção segura e a bela trilha sonora completam o filme de maneira muito convincente.

Porém, o grande diferencial mesmo é o roteiro, que entrega uma história muito peculiar, unida a diálogos realmente interessantes, alguns bem pertinentes para os dias atuais. E, melhor: sem nada ser panfletário ou excessivamente piegas, respeitando a inteligência de quem assiste. Não é um cinema revolucionário, que faça alarde, ou que exponha um profundo estudo da sociedade contemporânea. Mas, é uma produção deveras honesta, bem realizada, e que passa o recado muito bem. Em tempos de vacas magras pra Hollywood, já é muita coisa.


Nota: 8,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…