Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Blues of Desperation" (2016)
Artista: Joe Bonamassa.


E, finalmente, temos um disco de Joe Bonamassa envolvente do começo ao final. O que é uma pena de se constatar, pois, é óbvio que ele manda muito bem como guitarrista (e, também como cantor, diga-se), e por isso, chegava a ser meio frustante que os seus álbuns evidenciassem a sua genialidade, mas, ao mesmo tempo, faltando algum elemento que não se encaixava. Carisma, talvez. E, aqui neste "Blues of Desperation" temos isso de sobra. Não apenas quem aprecia blues, mas, quem gosta de um autêntico rock'n roll, vai sorrir de orelha a orelha escutando este disco.

A primeira música de trabalho é a boa "Drive", mas, nem de longe, ela evidencia o que é este trabalho. Cheio de riffs, solos, arranjos e melodias formidáveis de guitarra, o álbum é emocionante, e começa com uma tremenda canção: "This Train". Cheia de energia, pesada e detentora de um ótimo instrumental, é a música perfeita para abrir um disco poderoso desses. Em seguida, a não menos espetacular "Mountain Climbing", menos rápida, mais cadenciada, porém, não menos impactante. Parece que Bonamassa estava realmente compelido a mostrar tudo o que sabe, pois, cada nota, cada acorde aparenta ter sido composto ali, na hora. Ah, e o coral dessa canção dá um upgrade nela muito bacana.


E, então ouvimos o primeiro hit, "Drive", com sua sonoridade exuberante, que transpira feeling e harmonia na medida certa. Incrível como Bonamassa parece estar cada vez melhor com o seu instrumento. Ele realmente nasceu para empunhar uma guitarra, e o faz da maneira mais elegante possível, um verdadeiro bluseiro dos tempos atuais. E, tudo isso para chegarmos à maravilhosa "No Good Place for the Lonely", um blues como há muito não se ouvia: interpretado com garra, técnica e muito coração na ponta dos dedos. Uma canção dessas, ao vivo, certamente, causaria uma bela catarse.

A música que dá título ao disco, "Blues of the Desperation", começa com um slide de guitarra bem interessante, para partir, imediatamente, para uma canção redonda, enxuta, competente. Não é o destaque de um álbum tão bom, mas, não faz feio de forma alguma. A boa acústica "The Valley Runs Low" vale como um descanso merecido após tantos petardos. É bonita e muito bem executada. A agitadíssima "You Left me Nothin' but the Bill and the Blues" mostra que o blues ainda vive, sim, e muito bem, obrigado. Ah, e que guitarra maravilhosa no solo. Bonamassa é um mestre moderno.



"Distant Lonesome Train" é a mais simples do disco, e, por isso mesmo, não possui muitos atrativos. Bem executada, mas, só isso, mostrando um pouco mais de punch apenas nos seus segundos finais. "How Deep this River Runs" é bem mais intensa, com um groove impressionante, onde a bateria se destaca bastante. A estonteante "Livin' Easy" tem corpo e alma cravados no Mississippi, e, pra quem gosta do estilo, é um deleite só. Um disco tão emblemático não poderia terminar de maneira diferente: "What I've Know for a Very Long Time" é mais um grande blues no repertório de Bonamassa, que ele precisa incluir no setlist de shows a partir de agora.

Sem dúvida, temos aqui o melhor disco do senhor Joe Bonamassa, que nos brinda com o trabalho mais coeso de toda a sua carreira. Unindo o blues a elementos mais modernos, e eletrificando sua guitarra ao máximo, ele conseguiu construir um som que referencia os grandes mestres do passado, mas, sem perder a energia do presente. Sofisticado até a última nota, "Blues of Deperation" já pode ser considerado um dos disco do ano. E, quanto ao blues como estilo? Vivo e forte, graças a lançamentos como este.

Download do disco:
https://www.limetorrents.cc/Joe-Bonama,--Blues-Of-Desperation-(2016)-torrent-7573784.html


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Debate Sócio-Político
Porto Digital Ocupado!
O número de ocupações contra a PEC 55 (que propõe, entre outras coisas, uma profunda reforma no Ensino Médio) cresce a cada dia, e apesar de algumas dificuldades, a maioria mostra que está no caminho certo. No Recife, a mais recente instituição a ser ocupada foi a Escola em Referência de Ensino Médio (o EREM), pertencente ao Porto Digital, e localizada no bairro do Recife Antigo. Tudo começou durante a manhã de quinta (17), após as aulas serem suspensas para a realização de uma assembleia. A decisão pela ocupação do prédio foi feita como forma de antecipar o pior, já que muitos temiam que a direção da escola chamasse a polícia. 
De acordo com uma das integrantes do movimento, a organização do local está sendo feita aos poucos, para que, em breve, possam acontecer eventos, como palestras, exibição de produções audiovisuais, etc. "Ainda está tudo muito recente. Pretendemos, primeiro, limpar e reformar algumas coisas aqui dentro, para depo…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…