Pular para o conteúdo principal
Dica de Disco

"Blues of Desperation" (2016)
Artista: Joe Bonamassa.


E, finalmente, temos um disco de Joe Bonamassa envolvente do começo ao final. O que é uma pena de se constatar, pois, é óbvio que ele manda muito bem como guitarrista (e, também como cantor, diga-se), e por isso, chegava a ser meio frustante que os seus álbuns evidenciassem a sua genialidade, mas, ao mesmo tempo, faltando algum elemento que não se encaixava. Carisma, talvez. E, aqui neste "Blues of Desperation" temos isso de sobra. Não apenas quem aprecia blues, mas, quem gosta de um autêntico rock'n roll, vai sorrir de orelha a orelha escutando este disco.

A primeira música de trabalho é a boa "Drive", mas, nem de longe, ela evidencia o que é este trabalho. Cheio de riffs, solos, arranjos e melodias formidáveis de guitarra, o álbum é emocionante, e começa com uma tremenda canção: "This Train". Cheia de energia, pesada e detentora de um ótimo instrumental, é a música perfeita para abrir um disco poderoso desses. Em seguida, a não menos espetacular "Mountain Climbing", menos rápida, mais cadenciada, porém, não menos impactante. Parece que Bonamassa estava realmente compelido a mostrar tudo o que sabe, pois, cada nota, cada acorde aparenta ter sido composto ali, na hora. Ah, e o coral dessa canção dá um upgrade nela muito bacana.


E, então ouvimos o primeiro hit, "Drive", com sua sonoridade exuberante, que transpira feeling e harmonia na medida certa. Incrível como Bonamassa parece estar cada vez melhor com o seu instrumento. Ele realmente nasceu para empunhar uma guitarra, e o faz da maneira mais elegante possível, um verdadeiro bluseiro dos tempos atuais. E, tudo isso para chegarmos à maravilhosa "No Good Place for the Lonely", um blues como há muito não se ouvia: interpretado com garra, técnica e muito coração na ponta dos dedos. Uma canção dessas, ao vivo, certamente, causaria uma bela catarse.

A música que dá título ao disco, "Blues of the Desperation", começa com um slide de guitarra bem interessante, para partir, imediatamente, para uma canção redonda, enxuta, competente. Não é o destaque de um álbum tão bom, mas, não faz feio de forma alguma. A boa acústica "The Valley Runs Low" vale como um descanso merecido após tantos petardos. É bonita e muito bem executada. A agitadíssima "You Left me Nothin' but the Bill and the Blues" mostra que o blues ainda vive, sim, e muito bem, obrigado. Ah, e que guitarra maravilhosa no solo. Bonamassa é um mestre moderno.



"Distant Lonesome Train" é a mais simples do disco, e, por isso mesmo, não possui muitos atrativos. Bem executada, mas, só isso, mostrando um pouco mais de punch apenas nos seus segundos finais. "How Deep this River Runs" é bem mais intensa, com um groove impressionante, onde a bateria se destaca bastante. A estonteante "Livin' Easy" tem corpo e alma cravados no Mississippi, e, pra quem gosta do estilo, é um deleite só. Um disco tão emblemático não poderia terminar de maneira diferente: "What I've Know for a Very Long Time" é mais um grande blues no repertório de Bonamassa, que ele precisa incluir no setlist de shows a partir de agora.

Sem dúvida, temos aqui o melhor disco do senhor Joe Bonamassa, que nos brinda com o trabalho mais coeso de toda a sua carreira. Unindo o blues a elementos mais modernos, e eletrificando sua guitarra ao máximo, ele conseguiu construir um som que referencia os grandes mestres do passado, mas, sem perder a energia do presente. Sofisticado até a última nota, "Blues of Deperation" já pode ser considerado um dos disco do ano. E, quanto ao blues como estilo? Vivo e forte, graças a lançamentos como este.

Download do disco:
https://www.limetorrents.cc/Joe-Bonama,--Blues-Of-Desperation-(2016)-torrent-7573784.html


Nota: 9/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Disco

"Shade"
2017
Artista: Living Colour


BANDA CLÁSSICA DOS ANOS 80 CONTINUA NA ATIVA, E ACABA DE LANÇAR UM DISCAÇO DE ROCK QUE VALE A PENA SER OUVIDO ATÉ O ÚLTIMO SEGUNDO
O Living Colour foi um dos melhores grupos de rock surgidos nos anos 80, e que continuaram a ter relativo sucesso no início da década de 90. Entre idas e vindas, a banda já não lançava material inédito desde 2009, com o bom "The Chair in the Doorway". Eis que, em 2017, surge "Shade", 6º álbum de estúdio deles, e que comprova que o som do Living Colour não se tornou nem um pouco datado, visto que aqui vamos encontrar todos os elementos que tornaram a banda mundialmente conhecida, e que, ao mesmo tempo, ainda soa moderno e contagiante.



"Primos" de som do Red Hot Chilli Peppers e do Faith no More, o Living Colour, ao contrário destes, continua, ainda nos dias de hoje, com uma regularidade muito bacana em sua música, mesmo depois de mais de 30 anos de carreira. Isso se deve a…