Pular para o conteúdo principal
DEBATE SOCIAL

8 ANOS DE LEI MARIA DA PENHA - MAS, E O QUE MUDOU?




Após quase uma década da implantação da Lei Maria da Penha, é inexata a sua eficácia. Se, por um lado, as mulheres ganharam um forte instrumento de combate à violência, e o número de denúncias tem aumentado, por outro, as estatísticas ainda são desfavoráveis a elas. Por ano, no Brasil, são mais de 4 mil que são mortas por motivos passionais, onde a cada 5 minutos, uma mulher é agredida. E, nossas delegacias, é bom lembrar, continuam a tratar casos assim com bastante desdém, apesar de algumas exceções.

Além disso, a própria população reconhece a gravidade da situação. Tanto que 98% já ouviu falar na Lei Maria da Penha e 70% consideram que a mulher sofre mais violência dentro de casa do que em espaços públicos no Brasil, segundo pesquisa do Data Popula/Instituto Patrícia Galvão, realizada em 2013.




Diante disso, dá pra constatar, de antemão, que a mulher tende a sofrer mais violência dentro do seu lar, seja através do pai, do marido, ou de qualquer outro homem que resida com ela. Se o risco maior não é de um potencial criminoso desconhecido, então, isso prova que um dos maiores problemas causadores da violência à mulher é a cultura do machismo. São violências ocasionadas pela impressão masculina de submissão da mulher, em qualquer instância.

Assim como o racismo, o machismo no Brasil é muito velado, o que torna bastante difícil combatê-lo. São muitas propagandas, piadas de humoristas e atitudes cotidianas que reforçam a condição da mulher como objeto, ou de um ser menor em relação ao homem. Por ser um problema cultural, acaba sendo mais complicado para uma lei como a da Maria da Penha fazer efeito, apesar de sua existência ser importantíssima.




Recentemente, houve grande polêmica envolvendo casos de abusos sexuais contra mulheres em metrôs nas grandes cidades brasileiras, principalmente, São Paulo. Cogitou-se, até, em se fazer vagões exclusivamente femininos para evitar isso, como já ocorre no Rio de Janeiro e em Brasília. Detalhe que na própria capital paulista, esse método já foi testado entre aos anos de 1995 e 1997, sem resultado. Isso porque, em muitos casos, nada garante que um homem não pegará um vagão exclusivamente para mulheres, além de não se ter segurança adequada para coibir os abusos.




Devido à gravidade da questão, muitas políticas públicas têm tentado minimizar o problema. Este ano, a Prefeitura de Olinda, por exemplo, lançou o primeiro Plano de Políticas Públicas para as Mulheres. O documento foi fruto de conferências municipais realizadas na cidade, e sistematiza as propostas aprovadas com a colaboração do poder público e da sociedade civil. Ainda não se sabe até que ponto fará efeito, mas toda iniciativa é válida nesse aspecto. Principalmente, num estado como Pernambuco, onde, por exemplo, até o dia 20 de março deste ano, foram 48 mulheres assassinadas por motivos passionais. Um número verdadeiramente preocupante.

Por isso, faz-se necessária uma tomada de postura mais severa, principalmente, do homem, para que este reconheça atitudes machistas, com mais ênfase no seu ciclo de amizades, e saiba repudiá-las. Assim, quem sabe, consigamos diminuir dados tão alarmantes e tratar a mulher de forma mais digna.


Para denúncias de violência contra a mulher de qualquer natureza, basta ligar 180, sem precisar se identificar.


ERICK SILVA.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…