Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"HOLY MOTORS" (2012)




Relutei bastante em escrever sobre esse filme. Não porque não tenha gostado (pelo contrário), mas porque não queria ser leviano em falar o que não devia sobre um filme que me arrebatou como poucos, e que está na minha lista de filmes inquietantes ao lado de "Laranja Mecânica" e "Beleza Americana" (guardadas as devidas proporções).

"Holy Motors" é, só pra iniciar, no mínimo, perturbado. À primeira vista, parace um conjunto de cenas sem nexo, mas que fazem todo o sentido se você "entender" a proposta do diretor Leos Carax. Tentando simplificar: o filme mostra um dia na vida de Oscar, que trabalha numa limousine fazendo serviços que recebe em envelopes (incluindo matar). Em cada serviço, ele usa uma maquiagem diferente, interpretando diversos personagens. Bem, essa premissa seria desperdiçada por diretores medíocres, que talvez quisessem ser pedantes e pretensamente filosóficos (caindo no ridículo). Vide "Cosmopolis", por exemplo.




Pelas mãos de Carax, felizmente, "Holy Motors" é exercício inquietante e contestador das ações de nossa sociedade. Por exemplo, podemos dizer que a motorista da limousine, e o próprio veículo são metáforas bem sucedidas que representam a vida, e dentro, entamos nós (ou Oscar), interpretando papéis diferentes a cada circunstância do cotidiano. É só ver a sequência de uma conversa entre o personagem principal e sua "sobrinha" para comprovar.

As cenas isoladas são magníficas, de um lirismo poucas vezes vistas por mim num filme. Inclusive, há momentos em que não sabemos o que é realidade e o que é ficção, tamanho o jogo de imagens oníricas criadas por Carax. Prova de que ele aprendeu certas coisas muito bem com o sr. David Lynch. Existe uma cena, em especial, que mostra um dos "personagens" de Oscar completamente louco, devorando (literalmente) as flores nos túmulos de um cemitério. Em outra, ensandecido, desce da limousine procurando alguém, e atira num banqueiro sem motivo aparente!




Ou seja, o diretor simplesmente não quis ser previsível, e, com isso, criou uma bela e inquietante obra nesses tempos de mediocridade cinematográfica. Violente, cínico, crítico, romântico e explosivo. Não necessariamente nessa ordem. Uma pequena obra-prima do cinema atual, enfim.


NOTA: 10/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Dica de Filme

"As Fitas de Poughkeepsie" (2007)
Direção: John Erick Dowdle.


A maldade humana já gerou filmes verdadeiramente perturbadores, mas, que, muitas vezes, são feitos de forma apelativa, sempre expondo mais violência, como numa forma de fetiche, do que propondo alguma forma de reflexão. Exemplos desse desserviço cinematográfico são muitos, e não vou citá-los aqui, porque só servem mesmo para alimentar mentes doentias. Porém, existem aqueles filmes que conseguem fugir dessa regra, e conseguem propor algo válido, ao mesmo tempo que assustam bastante. É o caso deste "As Fitas de Poughkeepsie".
Primeiramente, é bom que se diga que ele se trata de um falso documentário, usando a (hoje batida) técnica de found-footage, que consiste em apresentar filmagens de maneira amadora, aumentado o tom realístico da obra. O resultado, pelo visto, deu certo. Quando "As Fitas de Poughkeepsie" foi exibido pela primeira vez no conceituado Festival de Trapeze, em Nova Ior…