Pular para o conteúdo principal
DICA DE FILME

"O Enigma de Kaspar Hauser" (1974)


O cineasta Werner Herzog é mais conhecido por obras-primas como a refilmegem de "Nosferatu", "Crepúsculo dos Deuses" e "Fitzcarraldo". Porém, existe um filme seu, que é mais desconhecido, mas que pode ser considerado seu grande momento. Trata-se de "O Enigma de Kaspar Hauser".


A estória, por si, já é intrigante. Um jovem e assustado Kaspar Hauser é deixado sozinho numa praça por um senhor. Permanentemente imóvel, ele só possui a roupa do corpo, mais uma carta numa mão e seu chapéu e um livro de orações na outra. Os moradores do local então o recolhem e começam a cuidar dele. Descobre-se que Hauser foi criado desde pequeno num calabouço, e que só agora, possou a ter contato com o mundo externo e com as pessoas. No seu novo lar, ele começa a aprender das coisas mais simples (andar e comer) até as mais complexas (ler e escrever). O problema é que, por não ter filtros sociais da hipocrisia, ele passa a falar o que sente, causando muito desconforto a quem está ao seu redor.

Herzog, com essa premissa fascinante, supostamente baseada em fatos reais, conseguiu construir uma poética e pungente fábula sobre o desajuste social de muitas pessoas em se adequar a padrões sociais. É, mais ou menos, o que Tim Burton faria alguns anos depois com seu "Edward Mãos de Tesoura". No entanto, enquanto Edward prezava pela ingenuidade e um certo freak (características de Burton), Kaspar Hauser é mais ácido e irônico, mas não menos interessante e engraçado.



Inclusive, o ator que interpreta Hauser, Bruno S., é um espetáculo à parte. Desde suas representações faciais (com os olhos escancarados) até seus trejeitos corporais, passando por um indefectível sotaque alemão, Bruno compôs um personagem icônico e maravilhosamente cativante. Detalhe que ele não era um ator profissional, mas um "desajustado social", que aceitou fazer o filme. Além disso, as falas de Hauser também são de uma verdade desconcertante e um dos ponto altos do filme. Exemplos:

"Eu não entendo como vocês podem acreditar num Deus que do nada fez tudo. Antes de aceitar cegamente uma fé eu preciso aprender a ler e escrever, e aí sim entender o que isso significa".

"A única coisa interessante em mim é a vida".

"Detesto igrejas, pois os cantos desses fiéis são infernais. E, quando eles finalmente se calam, o pastor começa a gritar".


O roteiro também é um destaque, pois conta, sem grandes atropelos a estória de Kaspar Hauser de forma tranquila e direta. Preciso falar também da trilha sonora, que unida a fantásticas imagens oníricas e paisagísticas, conferem ainda mais força à narrativa, sendo quase um personagem avulso.

Talvez a parte que menos tenha gostado tenha sido a do final, onde é mostrada a autópsia de Hauser, na qual médicos encontram algumas anomalias em seu cérebro. Ora, até aquele momento, nenhuma explicação racional tinha "desvendado" a figura dele. Portanto, mostrar o espanto desses médicos diante de algo que nem eles sabiam como explicar ficou deslocado e desnecessário. Mas, isso é apenas um pequeno adendo diante de uma obra quase sempre estupenda.

"O Enigma de Kaspar Hauser" é poesia em estado bruto, um raro momento cinematográfico em que praticamente tudo deu certo, e onde seus realizadores se esforçaram ao máximo para comporem algo especial. De fato, essa é a grande obra-prima de Herzog, e uma das mais belas do cinema como um todo.

E, que, um dia, todas as pessoas sejam possuídas pelo mesmo senso de honestidade de Kaspar Hauser.




NOTA: 9,5/10.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Lista

10 Melhores Discos Nacionais de 2017 (Até Agora)


Sim, meus caros, não está nada fácil. Achar os "10 melhores discos nacionais lançados em 2017 (ate agora)" demandou bastante tempo, mesmo porque, até no meio do cenário indie, anda rolando uma certa mesmice em termos de sons e atitudes, com bandas soando rigorosamente iguais umas as outras. Está faltando identidade e carisma até na nossa música alternativa, infelizmente. Mas, lamentações à parte, esta é uma pequena lista que se propõe a ser um guia atual para quem deseja saber o que anda acontecendo de bom por aí. 
Torcer, agora, para que os próximos meses sejam mais produtivos no sentido de termos mais lançamentos bons como estes.
🎵


10°
"Feeexta"
Camarones Orquestra Guitarrística


"Canções Para Depois do Ódio"
Marcelo Yuka


"Triinca" Triinca

"Galanga Livre" Rincon Sapiência

"Vênus" Tupimasala
Lista Especial Final de Ano

20 MELHORES DISCOS DE 2017


Este ano, em termos de música, foi um pouco melhor do que 2016, indiscutivelmente. Novos artistas mostraram trabalhos maravilhosos (Triinca, Royal Blood, Rincon Sapiência, Kiko Dinucci), ao mesmo tempo que alguns da velha guarda voltaram com tudo, em discos que parecem de início de carreira (Accept, Living Colour). 
Além disso, tevemos obras das mais variadas teméticas, desde a banda instrumental Macaco Bong fazendo uma reeleitura pra lá de insana do clássico "Nevermind", do Nirvana, até artistas como Rodrigo Campos, Juçara Marçal e Gui Amabis, que, com "Sambas do Absurdo", emularam à perfeição a obra do filósofo Albert Camus. 
O resultado desta excelente miscelânea sonora está aqui, numa lista com os 20 melhores discos lançados neste ano que passou, cada um com cheiro e gostos diferentes, mas, que, de forma alguma, são indigestos.
Bon appétit. 🍴

20º
"In Spades"
The Afghan Whigs


19º
"The Rise of Chaos…
Filme Mais ou Menos Recomendável

"Mulher Maravilha"
2017
Direção: Patty Jenkins


MAIS UM FILME DE SUPER-HERÓI GENÉRICO, "MULHER MARAVILHA" PECA, IRONICAMENTE, POR TER UM SUB-TEXTO MACHISTA EM SUAS ENTRELINHAS
Estamos diante de mais um filme de super-heróis, mais um do universo expandido da DC Comics no cinema, mais um com a enorme responsabilidade de entregar um material minimamente interessante, ao contrários dos pífios "Batman vs Superman" e "Esquadrão Suicida", sem dúvida, os dois piores filmes do gênero desses últimos anos, ao lado de "Quarteto Fantástico". Ou seja, "Mulher Maravilha" chega com uma tremenda carga a ser superada. A pergunta é: conseguiu cumprir a sua missão? Bem, digamos que sim e não. Ao mesmo tempo em que o filme acerta em alguns pontos que ficaram devendo em produções anteriores, ele também erra ao repetir alguns dos erros mais corriqueiros de longas do gênero, com um agravante que pode até causar certa polê…